Repórter demitido da Record revela “ar irrespirável” na emissora

Emissora alegou que a demissão ocorreu por conta de restruturação

Publicado há 9 meses
Por Renan Vieira
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O repórter do jornalismo da Record Rodrigo Vianna foi demitido na sexta-feira (17) sob alegação de restruturação. Nas redes sociais, ele resolveu falar sobre esse momento no Twitter. Na fala dele, é possível identificar que o ambiente no jornalismo da emissora não é dos mais fáceis.

Vianna chegou a escrever que o ar ficou irrespirável. “Na fase final na Record (2016/2020), aprendi a ter paciência e resiliência. Quando o ar ficou irrespirável. Sempre compreendi os limites do trabalho na mídia corporativa, sem confundir meus interesses e opiniões com os do eventual patrão. Procurei também traçar um limite: não mentir, não brigar com os fatos, não embarcar em narrativas grotescas”, disse.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O jornalista falou sobre o legado que a passagem pela emissora deixa em sua vida. “Fiz amigos do peito e aprendi muito. Com câmeras, editores, produtores, chefes e com colegas repórteres. Gosto de fazer TV, amo jornalismo, estou há quase 30 anos nesse ofício. Mas amo mais ainda a verdade”, escreveu.

Rodrigo Vianna, ex-repórter da Record (Reprodução)

E mais!

Ele ainda revelou o que lhe foi dito para justificar sua demissão. “Nos últimos tempos, procurava me guiar pelo ensinamento de um velho repórter: ‘ao inimigo não se pede nada, nem demissão’. A quem interessar possa: o motivo alegado para meu desligamento foi ‘reestruturação’. Sou agora um jornalista reestruturado. E um cidadão mais leve e feliz”.

Vianna foi um dos mais importantes repórteres da Record nos últimos anos. Chegou à emissora em 2007, com status de ex-Globo. Fez reportagens importantes para o principal jornal da emissora, o Jornal da Record. Não se deixou levar pela ala sensacionalista da emissora.

“Fui demitido hoje da TV Record, onde trabalhei por 13 anos. Foi um período rico, especialmente entre 2007 e 2016: matérias especiais, 2 Olimpíadas, 2 Copas do Mundo, prêmios importantes (Vladimir Herzog e Embratel, entre outros) e coberturas emocionantes”, disse em um dos tuítes.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio