Repórter da Globo que foi paquerado durante link fala sobre comparações com caso da Rússia

Publicado há 3 anos
Por Guilherme Rodrigues
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em 2016, o repórter da Globo Ben-Hur Correia virou notícia após tentar realizar um link de Las Vegas, nos Estados Unidos, para o canal pago SporTV e ser abordado por mulheres que estavam numa despedida de solteiro e que começaram a paquerar o profissional.

Veja: Comentário polêmico de Sandra Annenberg sobre a Rússia repercute na web

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Após a repercussão do vídeo no qual brasileiros que estão na Rússia para acompanhar a Copa do Mundo aparecem repetindo com uma estrangeira uma palavra que se refere ao órgão genital feminino, muitos começaram a relembrar o que aconteceu com Correia e dizer que não houve a mesma revolta.

Pelas redes sociais, o profissional compartilhou um vídeo no qual resolveu falar sobre o assunto. “Eu fui inundado por um monte de mensagem comentando aquele vídeo engraçado onde eu sou atacado por umas meninas em Las Vegas e tem muita gente usando esse vídeo de uma forma que eu não concordo e eu queria explicar por quê”, afirmou o famoso da Globo.

“Primeiro, a gente não pode comparar a minha situação naquele vídeo com a situação que a menina russa sofre no vídeo rodeada por brasileiros. Eu não fui coagido, eu não fui insultado e eu não fui induzido a falar palavras que me insultam num idioma que eu nem conheço. As situações são bem diferentes“, destacou Bem-Hur.

“Segundo que eu sou homem, eu conseguiria me desvincilhar daquela situação de uma forma mais normal, mais natural. Se fosse uma menina na minha situação, rodeada por homens, aí sim seria muito mais preocupante”, avaliou o repórter.

Leia: Repórter brasileiro é abordado por mulher na Rússia e fica perdido: “Acho que está me xingando”

“Tem muita gente falando ‘mas feminismo não prega a igualdade?’. Quando a gente fala de igualdade no feminismo, a gente tá falando de igualdade de oportunidades. As mulheres lutam para ter o mesmo salário que os homens quando tão trabalhando na mesma função, elas lutam para ter as mesmas oportunidades que os homens têm em organizações. É desse tipo de igualdade que a gente tá falando”, concluiu Correia.

Assista:

Cobrindo a Copa para a Globo, Fernanda Gentil comenta vídeo polêmico feito por brasileiros na Rússia

Em entrevista à colunista Patrícia Kogut, Fernanda Gentil, que está na Rússia para cobrir a Copa do Mundo para a Globo, foi questionada sobre o polêmico vídeo feito por brasileiros na Rússia com uma estrangeira e afirmou que aquelas pessoas não representam os brasileiros no geral. “Muito menos os 60 mil que são esperados aqui na Rússia durante a Copa”, destacou a jornalista.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio