Relembre o Roleta Russa e outros jogos de roleta da televisão

Roda a Roda Jequiti é remanescente do gênero na programação atual da TV brasileira

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Pode parecer que foi ainda ontem, mas o programa da Record TV Roleta Russa estreou há longos 19 anos. Apresentado por Milton Neves, o game show durou exatamente um ano, entre 2002 e 2003, e fez menos sucesso do que era esperado, mas ainda mora na lembrança de muita gente.

Inspirados nos jogos de cassino, esse e outros programas de auditório de caráter competitivo marcaram época. A principal inspiração eram os jogos de roleta, os quais podem ser encontrados na sua versão de cassino até hoje em sites especializados, como o Griffoncasino.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No caso do programa da Record, o objetivo era duplo: acumular o máximo de dinheiro o possível e “sobreviver” no jogo a cada rodada. Isso porque o programa tinha caráter de morte-súbita, como o próprio título já entrega.

O cenário era baseado no tambor de um revólver, e seis participantes entravam ao mesmo tempo no jogo, competindo uns contra os outros; o grande chamariz do Roleta Russa era o fato de que uma resposta errada por parte de um competidor colocava não ele mesmo em perigo, mas a todos os outros.

Isso porque, a cada erro, uma alavanca deveria ser acionada e poderia eliminar um dos competidores – os quais ficavam sobre alçapões. A eliminação, claro, se dava com a queda da “vítima” num buraco, e não havia retorno ou segunda chance; quem caísse estava eliminado.

Para dificultar ainda mais, o sobrevivente final deveria responder oito perguntas em 60 segundos, sendo que qualquer erro resultaria na sua queda (e consequente eliminação). Mesmo se acertasse todas as perguntas, o finalista deveria acionar a alavanca uma última vez e, não caindo no buraco, levaria para casa o prêmio de R$ 500 mil.

Roda a Roda e outros programas do gênero que não existem mais

O grande sobrevivente da era dos programas de roleta é, definitivamente, o Roda a Roda Jequiti, do SBT. O programa já dura longos 18 anos, se contar desde início com o patrocínio da GM, em 2003, a breve passagem da Johnson & Johnson, em 2005, e os intervalos em que esteve fora do ar, até se estabelecer firmemente em 2008 com o patrocínio da empresa de cosméticos.

A ideia por trás do programa nunca mudou: é um game show no qual o vencedor é quem terminar as rodadas normais com mais dinheiro.

Claro que foram muitas mudanças ao longo de quase duas décadas, mas o jogo funciona sempre mais ou menos da mesma maneira: o participante deve torcer para tirar um bom prêmio na roleta e, para confirmar o ganho, deve acertar letras de uma palavra misteriosa. Quem acertar a palavra, enfim, ganha a rodada.

Outros programas de roleta incluem o famigerado Roletrando, também produção de Silvio Santos (e cujo nome gerou inúmeras piadas, como é de se esperar), além de game shows menores, muitas vezes inseridos dentro de outros programas.

O Bom Dia e Cia. é um bom exemplo, além de programas de variedades com prêmios sorteados por roleta: Passa ou Repassa, Programa Eliana, Video Game e Show do Milhão.

Programas de auditório de “roleta” ainda têm chance hoje?

É difícil afirmar de maneira definitiva que os programas no estilo roleta tenham perdido totalmente seu potencial. O que é possível observar, porém, é que o segmento anda em baixa, e nada exemplifica melhor isso do que o desempenho dos poucos que ainda existem na TV hoje.

O Roda a Roda Jequiti, mais longevo de todos, atualmente não passa dos 7 pontos de Ibope na grade média do SBT – mas, curiosamente, é o segundo programa com a melhor audiência da rede de Silvio Santos.

Daí para dizer que o formato morreu seria uma afirmação incerta; o que está claro, porém, é que são atrações televisivas que ainda não souberam se adaptar aos novos tempos – o da interação em tempo real, da velocidade e da opinião do público pela internet.

Para os fãs dos programas de roleta, poderia haver otimismo de um renascimento se os produtores souberem adaptar o formato. O Big Brother Brasil, por exemplo, conseguiu sair do marasmo de uns anos atrás, quando era uma atração esquecida, e se tornar uma das principais audiências da Globo. Nada está perdido.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio