Record já demitiu mais de 400 profissionais em 2015

Publicado há 6 anos
Por Neuber Fischer
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Os cortes de funcionários da Record não param, segundo um levantamento realizado pela Federação Interestadual dos Trabalhadores em Empresas de Radiodifusão e Televisão (Fitert), 433 profissionais já foram demitidos somente em 2015.

Segundo o site Comunique-se, no RecNov, centro de produção de novelas e complexo de estúdios da emissora no Rio de Janeiro, 239 funcionários foram dispensados e em São Paulo, 47 pessoas foram demitidas. No Espírito Santo 46 profissionais perderam o emprego.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A situação é tão grave que o sindicato do setor denuncia a precarização das condições de trabalho na Record. A emissora estaria investindo em terceirizações e em contratações de pessoa jurídica.

“Falar em crise é conversa fiada, pois é nesse período que mais faturaram. Um exemplo disso é a Record Goiás, que aumentou seu faturamento em 26% nesse semestre. O problema é que os patrões só querem lucrar”, afirma o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Comunicação de Goiás e Tocantis (Sindicom), Miguel Novaes.

“As empresas solicitam que as pessoas, ouvintes e telespectadores encaminhem para as redações mensagens de WhatsApp em vídeo e transmitem esse material. Os radialistas e jornalistas estão sendo preteridos. E isso é reproduzido para a sociedade como material jornalístico”, diz o presidente do Sindicato dos Radialistas do Distrito Federal (Sinrad-DF), Marco Clemente, sobre o uso da tecnologia em detrimento do profissional.

“O caso da Record nos despertou preocupação para brecar modelo que certamente seria aplicado por outros grupos da radiodifusão. Por isso remetemos o caso ao MPT, a fim de enquadrar os que enxugam suas folhas com demissões em massa, mesmo com a garantia de seu faturamento e principalmente com os altos investimentos em verbas publicitárias públicas para o setor”, comenta o coordenador do Sindicato dos Radialistas da Bahia, Everaldo Santos Monteiro, sobre os cortes.

Os casos da Record já estao no Ministério Público do Trabalho (MPT) para que sejam avaliados. A emissora não vai comentar o assunto.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio