Profissão Repórter mostra casos de pessoas que foram vítimas da cultura da justiça com as próprias mãos

Publicado há 2 anos
Por João Paulo Reis
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nos últimos quatro anos, dois casos envolvendo meninos acusados de pequenos roubos e furtos chocaram o Brasil. Tudo isso por meio de imagens divulgadas rapidamente nas redes sociais. Paulo Roberto Soares, na época com 15 anos, foi preso nu a um poste por uma tranca de bicicleta. E Ruan Rocha foi tatuado na testa depois de tentar furtar uma bicicleta para comprar drogas. O Profissão Repórter desta quarta-feira, dia 22, mostra o que aconteceu com esses dois jovens, vítimas de castigos e torturas. E destaca como a cultura da justiça pelas próprias mãos se espalha pelo compartilhamento via internet.

Leia também: Bella Falconi posa amamentando filha recém-nascida na maternidade

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Caco Barcellos foi até uma clínica de reabilitação para entrevistar Ruan Rocha. Aos 18 anos e em tratamento desde o ocorrido, ele fala sobre sua vontade de sair limpo e voltar a ter uma rotina normal. O jovem, quase um ano depois do castigo sofrido, chegou a ser preso ao tentar furtar desodorantes em um mercado. A clínica onde ele estava internado pagou sua fiança.

Profissão Repórter investiga outro caso famoso

Já para investigar a história de Paulo Roberto, o repórter Guilherme Belarmino voltou ao Rio de Janeiro depois de quatro anos da tortura sofrida pelo jovem. E recolheu relatos de pessoas próximas a ele, que veio a falecer. “Eu mantive contato com essas pessoas durante esses anos todos porque a minha ideia era fazer uma reportagem posteriormente. No final do ano passado, me contaram que ele foi morto”, conta Belarmino. O jornalista reflete sobre o fato de casos como este terem tanta repercussão inicialmente e, depois, serem esquecidos.

A cultura da justiça pelas próprias mãos e sua exposição alimentada nas redes sociais já se tornaram normais para algumas pessoas. É o que mostra Eliane Scardovelli ao ir atrás de casos de linchamento. Depois de muitas pesquisas e coleta de dados, a repórter descobriu que, no estado do Amazonas, foram registradas 56 mortes nos últimos três anos. Todas como resultado deste tipo de violência física.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio