Procura por dramas coreanos cresce no Brasil em tempos de pandemia

Loading e Netflix exibem produções do filão

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nem só da produção local e dos títulos importados do México e da Turquia vivem os fãs brasileiros de melodramas. Nos últimos anos, em especial durante a pandemia, cresceu o interesse nos chamados ‘kdramas‘, séries e novelas produzidos na Coreia do Sul que vem ganhando legiões de espectadores por aqui.

Uma das coisas que prendem a atenção nos kdramas é a abordagem mais leve e fantasiosa da vida. Tudo é muito doce“, explica Manu Gerino ao portal UOL. Ela é dona do canal Coreanismo, cujo alcance no YouTube cresceu 50% desde o início do isolamento.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Amanda Erreiro, do canal Popirama, concorda com a ‘colega’. “O romance [nos kdramas] é mais ingênuo. É comum levar dez episódios para os casais pegarem na mão, e a gente torce mais. Os costumes são diferentes“, aponta.

O catálogo engloba vários gêneros, desde atrações teens – como Boys Over Flowers (Meninos Antes de Flores), disponível no catálogo da Netflix – até histórias mais densas, que podem envolver temáticas policiais, cômica ou até de terror.

Muitas começaram a beber também do cinema coreano e a abordar temas sociais. Passamos a ver questões como relações abusivas, transtornos mentais e inseguranças no trabalho“, analisa Guerino.

A moda dos kdramas anda tão intensa que outros países já estão até tentando tirar uma casquinha desse sucesso. O produtor mexicano Juan Osorio – o mesmo da comédia romântica Meu Coração é Teu, exibida duas vezes pelo SBT – estreou há algumas semanas na terra da tequila sua novela Qué le Pasa a Mi Familia? (O Que Há com Minha Família?), uma adaptação assumida da série sul-coreana What Happens to My Family?.

No Brasil, vários títulos do filão estão disponíveis no catálogo da Netflix. O canal Loading também se destaca pela inclusão de kdramas em sua programação.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio