Por causa do DAZN, Globo “abre licitação” para ter documentários de Esporte no GloboPlay

Publicado há um ano
Por Gabriel Vaquer
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Por conta do sucesso da plataforma de streaming DAZN nesse tipo de produto, a Globo quer aumentar o número de documentários de Esporte no GloboPlay, a sua plataforma de streaming. No fim de novembro, uma espécie de “licitação” foi aberta para os jornalistas esportivos apresentarem suas ideias sobre qualquer assunto que envolva o universo para as suas chefias.

Segundo apurou o Observatório da Televisão, foi deixado claro que a Globo quer histórias cativantes e populares, mas que demandam mais tempo e mais capricho de produção. No entanto, a emissora também afirmou que não tem problemas financeiras para bancar financeiramente qualquer ideia de seu núcleo esportivo.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Se o projeto agradar e for aprovado, dinheiro não será um problema. Tal demanda da Globo também vale para ideias de pauta que não foram aprovadas em programas de TV, como o Esporte Espetacular, mas que a gerência Esportiva entenda que possa ser atrativo para o streaming.

Tal medida tomada pela Globo aconteceu por conta do investimento massivo do DAZN nesse tipo de seguimento. A plataforma esportiva de streaming produziu recentes documentários esportivos elogiados, como Sem Filtro: Flamengo, lançado em setembro deste ano. O filme mostrou, sem muitos rodeios, como é ser torcedor do clube mais popular do Brasil.

Vale ressaltar que o GloboPlay lançou no fim de novembro um documentário sobre o título do Flamengo na Copa Libertadores da América. No entanto, o material contou com farta ajuda da TV FLA, canal oficial do clube rubro-negro. Este enviou muitas imagens limpas e sem logotipos e patrocínios para a montagem.

Globo promete investir R$ 1,3 bilhão em produção de conteúdo para o GloboPlay

2020 promete ser o ano do GloboPlay. Contabilizando todas as áreas, o Grupo Globo prevê um investimento de R$ 1,3 bilhão. A prioridade, claro, será conteúdo inédito e nacional. Todavia, isso é uma demanda que, segundo a emissora carioca, ainda está em falta no mercado de streaming brasileiro.

Procurada pelo Observatório da Televisão, a Globo ainda não respondeu sobre o assunto. Caso o faça, a reportagem será atualizada.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio