Pequena África será local de acolhimento em Nos Tempos do Imperador

O local será o reduto de negros livres e fugitivos que precisam de proteção

Publicado em 21/7/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Nos Tempos do Imperador, próxima novela das seis, totalmente inédita, que estreia no dia 9 de agosto, a Pequena África é o reduto de negros livres e fugitivos que precisam de proteção.

Vivendo nos zungus, habitações coletivas, os moradores se ajudam e mantêm costumes e cultos religiosos. Na trama, escrita e criada por Alessandro Marson e Thereza Falcão, e com direção artística de Vinícius Coimbra, um núcleo de personagens importantes viverá no local, pois é ali que o protagonista Jorge/Samuel (Michel Gomes) é recebido quando chega ao Rio de Janeiro, após ser obrigado a fugir da fazenda em que morava. 

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Mesmo adaptado à cidade, ele vive o preconceito por ser negro, através dos olhares das pessoas da cidade. Nessa época, muitos negros passavam por maus tratos e, para a maioria, a única chance de sobrevivência era a fuga, mesmo que arriscada. Como se não bastasse isso, Samuel sofre ainda com a patrulha exagerada do policial Borges (Danilo Dal Farra), com quem tem um mal-entendido logo nos primeiros dias na capital.

Na ocasião, o jovem deixa o documento que o define como homem livre cair no chão, e o policial alega que um negro sem emprego e sem documento deve ser preso por vadiagem. A abordagem ríspida é presenciada por Dom Olu (Rogério Brito), considerado o Rei da Pequena África. Muito respeitado por Dom Pedro II (Selton Mello), ele interfere na discussão e afirma que Jorge é um dos moradores do local.

Diante disso, o policial o solta, mas não vai desistir de prejudicá-lo. A partir desse momento, Dom Olu apresenta a Pequena África ao mais novo cidadão do Rio de Janeiro. Lá também fica localizado o Cais do Valongo, por onde chegavam os navios com os negros vindos da África, e depósitos movimentados por causa do café, que empregavam a maior parte dos homens.

Assim que Jorge/Samuel revela tudo sobre seu passado, inclusive a mudança de identidade, Dom Olu faz o convite para que ele more no local com sua família: a esposa Cândida (Dani Ornellas) e a filha, Zayla (Alana Cabral / Heslaine Vieira). Além de conseguir um lugar para abrigá-lo, eles ainda lhe arranjam um trabalho como entregador, ajudando a vizinha Abena (Mary Sheyla), que é lavadeira e esposa de Balthazar (Alan Rocha), seu mais novo amigo. Nas andanças pela cidade, Jorge/Samuel encontra uma viola e decide consertá-la. Com um talento nato e autodidata para a música, faz uma parceria com Balthazar e, juntos, começam a ganhar dinheiro com a arte.  

A Pequena África real 

A região carioca Pequena África, no centro do Rio de Janeiro, passou a ser conhecida por este nome no começo do século XX, nas obras de Heitor dos Prazeres. Atualmente, é uma área composta pelos bairros da Saúde, Gamboa e Santo Cristo, desde a Praça Mauá até a Cidade Nova, na região portuária do Rio de Janeiro. No local, onde havia pessoas escravizadas que foram alforriadas e comunidades quilombolas, hoje existe a Pedra do Sal e o Cais do Valongo, construído em 1811 e localizado na Zona Portuária da cidade. 

O Cais tem o título de Patrimônio Histórico da Humanidade pela UNESCO desde 2017, por ser o único vestígio material da chegada dos africanos escravizados. Ele operou por 20 anos, até a proibição do tráfico de pessoas escravizadas. Lá era local de desembarque e comércio dos que vinham da África para as Américas.

Em 1843, com a chegada de Teresa Cristina, que em ‘Nos Tempos do Imperador’ será vivida por Leticia Sabatella, para o casamento com o Imperador Dom Pedro II, interpretado por Selton Mello, passou a chamar-se Cais da Imperatriz. Para os autores, Alessandro Marson e Thereza Falcão é importante trazer a história dessa região tão pouco conhecida pela sociedade e resgatar a cultura africana.

“O papel da Pequena África dentro dessa novela é mostrar esse reduto, de pessoas livres e cúmplices entre si. Ali, havia negros de várias nacionalidades africanas. E esse encontro era algo muito poderoso para se tentar manter uma identidade, no momento em que tudo o que não se queria era uma identidade negra”, destaca Thereza. 

Nos Tempos do Imperador’, a próxima novela das seis, é criada e escrita por Alessandro Marson e Thereza Falcão, com Julio Fischer, Duba Elia, Wendell Bendelack e Lalo Homrich e tem direção artística de Vinícius Coimbra, direção geral de João Paulo Jabur e direção de Guto Arruda Botelho, Alexandre Macedo, Pablo Müller, Joana Antonaccio e Caio Campos. A direção de gênero é de José Luiz Villamarim e a novela estreia no dia 09 de agosto de 2021. 

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio