Para Globosat, futuro da TV paga passa por alianças com as multinacionais do conteúdo

Publicado há um ano
Por Redação
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nada mais sintomático do atual momento da programação nacional nos canais da TV por assinatura do que o fato de o dirigente da maior empresa brasileira de canais, a Globosat, abrir sua apresentação durante o PayTV Forum 2019 apresentando um vídeo da BBC News (marca subsidiária da rede pública de Reino Unido).

Para fazer uma analogia sobre a situação do conteúdo brasileiro diante do avanço das empresas gigantes multinacionais de tecnologia, Alberto Pecegueiro, diretor geral da programadora de canais da Globo para a TV por assinatura, falou da expectativa sobre o futuro enquanto o vídeo mostrava o salto de um homem sem paraquedas de um avião em pleno vôo a sete mil metros de altura, em Las Vegas. Ao final, a queda foi amparada por uma enorme rede de proteção.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ele resumiu a metáfora, diante do que vem acontecendo no mercado internacional de conteúdo: a compra da Fox pela Disney, a aquisição da Time Warner pela AT&T, o avanço da Amazon no segmento de VOD, a presença global da Netflix etc: “Nós estamos pulando sem paraquedas e torcendo pra dar certo. Será que no fim vai ter uma rede?”, brincou.

Pico de audiência

A fala do executivo, que vem dirigindo por mais de 20 anos uma fábrica de canais de sucesso na TV paga (Multishow, GNT, SporTV, Viva e toda uma família de canais com parceiros
internacionais, como a rede Telecine, Universal etc) é permeada por declarações que dão como certo ainda haver um enorme contingente da população que quer simplesmente sentar e ver
o que a TV lhe oferece – da mesma forma que os mais jovens são menos atendidos pelos canais lineares (os convencionais).

“O objetivo é conseguir combinar os dois mundos”, diz Pecegueiro, que prossegue: “Já vi vários sintomas e iniciativas mostrando a possibilidade desses públicos se envolverem. Tem conteúdo que tem
mais valor como o ao vivo o reality show.”
Ele revela que, curiosamente, o momento é de pico de audiência dos canais da Globosat, o que seria até um contrassenso sobre
tudo o que se fala do mercado.

Alberto Pecegueiro também chama a atenção ao fato de que cada vez há uma estimativa diferente sobre o verdadeiro tamanho da Netflix – a empresa não revela o número de clientes no país. “Hoje, a minha maior preocupação é mesmo a pirataria. Tem pelo menos 20 apps de live IPTV (TV por internet ao vivo), onde se pode assistir ao que quiser . Assim é até inacreditável que ainda há quem pague assinatura de TV”, espanta-se.

Conteúdo relevante

Para ele, o risco de o conteúdo relevante deixar os canais tradicionais é uma preocupação bastante legítima. Pecegueiro lembra que, há alguns anos, houve grande apreensão quando o grupo América Móvil lançou o serviço Claro Video, com alguns conteúdos de TV paga sendo oferecidos fora do ambiente da TV por assinatura:

“Você não segura o dique com o dedinho. Tem duas maneiras de enfrentar. Ou você entra em choque ou tem de se aliar. A gente sempre procurou fazer o negócio de conteúdo crescer”, e enumerou inovações da programadora na TV paga como o lançamento do 4K, apps dos Jogos Olímpicos, tudo mirando o crescimento do negócio como um todo, como um comprometimento.

Mas diz que o Grupo Globo não pode ficar parado, que as ameaças são para todos e os riscos, idem. “A oferta direta ao consumidor talvez apresente o melhor caminho para desarmar o empacotamento. Claro que a gente está engajado, mas sempre prefere a via do trabalho conjunto e uma solução
agregadora do que o conflito”
.

O dirigente diz que o desafio e objetivo da Globosat é se posicionar como uma mediatech company, uma empresa de tecnologia que, com foco no conteúdo, começa a investir na transformação digital. E ele extrapola isso para toda a marca Globo também: “Há muitos anos eu já defendo a tirada das três últimas letras da marca Globosat. O que o Grupo está fazendo é através da agregação das empresas ganhar mais competitividade contra a chegada dos dinossauros.”

Aliados

De qualquer forma, parece que a estratégia a ser adotada será uma aliança com tais ‘dinossauros’. “A Globo não vai embora do Brasil, vai continuar aqui, onde tem tudo em jogo. A gente tem muita relação com as empresas internacionais; o interesse deles no Brasil vai até o
ponto em que enxergam um retorno razoável. A gente sempre vai ter um grau de esforço e comprometimento muito maior e acredita no resultado. Somos empresas familiares que se comprometem com ele. Como a Band também
é”
, diz Pecegueiro, salientando que as gigantes multinacionais estão num game global.

“Nessa guerra nucelar, eu já escolhi meu papel: eu vou vender armas. Os ‘dinossauros’ comem muito conteúdo; alianças
serão feitas, é inevitável”
, disse o executivo. Ele, a propósito, lembrou que a Globosat inclusive publicou um anúncio na mídia parabenizando a
concorrente HBO no final da temporada de Game of Thrones – algo inimaginável no mercado brasileiro de payTV na primeira metade da década passada,
época em que a exclusividade de canais era um diferencial competitivo entre as operadoras.

Viacom

Pela Viacom (canais MTV Brasil, Nickelodeon, VH1, Comedy Central e Paramount), o diretor geral Mauricio Kotait diz que o objetivo é construir novas propriedades: “A Viacom acredita muito no seu próprio conteúdo. Como brasileiro, também passo 24h por dia tentando entender o mercado”.

A Viacom, que é norte-americana, comprou recentemente a Pluto TV, que é um serviço de streaming com oferta de conteúdos gratuitos com veiculação
de publicidade.

Box Brasil

Cicero Aragon, diretor geral da Box Brasil (canais PrimeBox, MusicBox, TravelBox e Fashion TV), conta a trajetória da sua empresa: “Nascemos como canal brasileiro independente há dez anos e nesse momento quando há questão de propriedade cruzada, a Ancine, a regulação de futuro do mercado, por sermos os peixes menores, temos de ter mais atenção no que fazemos”.

Ele diz que a Box Brasil faz parcerias, na busca por oportunidades para que rearranjos se tornem possíveis. Ele reitera a relevância dos canais brasileiros e necessidade de empenho para que se criem novos modelos de empacotamento que possam fazer sentido. Aragon lembra ainda da importância do agregador para organizar os apps e o VOD.

*Por Edianez Parente

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais