Paola Carosella lembra primeiro trabalho em restaurante: “Por ser mulher, pagava para estar lá”

A chef de cozinha contou sobre seu processo de naturalização como brasileira

Publicado em 20/6/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Paola Carosella foi uma das convidadas do Altas Horas deste sábado (19). A chef contou para Serginho Groisman sobre a primeira oportunidade que teve de trabalhar em um restaurante.

Ela decidiu entrar no ramo da gastronomia em 1989, na Argentina recém-saída da ditadura. “Eu achei um único restaurante que me deixou aprender. Por ser mulher, eu pagava para estar lá. No dia que entrei pela primeira vez na cozinha, falei: ‘Esse lugar é meu’”, lembrou.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em outro momento, a ex-Masterchef falou sobre seu processo de naturalização como brasileira. “Já está saindo (o processo). Já entreguei toda a documentação. Sou residente permanente há 21 anos e agora entrei com processo de naturalização brasileira”, contou.

Ao falar sobre a cultura brasileira, a chef de cozinha disse que se acostumou com o sotaque baiano e passou a imitar o sotaque. “E eu falo que aprendi ‘baianês’ antes de português; As pessoas que estavam na cozinha eram todas baianas e eu amo. Quando saía para jantar e, no restaurante, perguntavam se tinha reserva, eu falava: ‘tem não’ (falando com sotaque). Achava lindíssimo sem fazer a mínima ideia de que não estava certo. Mas aprendi a falar desse jeito“, afirmou.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio