“Os críticos de TV não entenderam que O Outro Lado do Paraíso retomou uma estrutura antiga”, afirma Walcyr Carrasco

Publicado há 3 anos
Por Guilherme Rodrigues
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nesta sexta-feira (11), irá ao ar o último capítulo de O Outro Lado do Paraíso e Walcyr Carrasco, autor da trama das 21h, declarou que o sucesso da produção se deve ao elenco, direção e à estrutura do folhetim, que foi dirigido por Mauro Mendonça Filho.

Morte, casamento, internação: saiba o que acontece no último capítulo de O Outro Lado do Paraíso

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Os críticos e analistas de TV não entenderam que O Outro Lado do Paraíso retomou uma estrutura antiga, um melodrama tradicional, sem vergonha de ser, como há muito tempo não era feito. Tanto que foi declaradamente inspirada em O Conde de Montecristo, de Alexandre Dumas, um clássico, escrito inicialmente de forma folhetinesca”, declarou o escritor ao Gshow.

O autor destacou que temas modernos fizeram parte da produção. “Como violência à mulher e abuso sexual. Mas sempre dentro de uma estrutura ágil, rápida, como exige o folhetim. Os acontecimentos se sucederam, inclusive com situações declaradamente fantasiosas. Alguns críticos não entenderam isso, pois procuraram realismo em uma novela que nunca quis ser realista”, analisou o profissional.

“Realmente uma protagonista”, afirma Walcyr Carrasco sobre Erika Januza

O artista ainda elogiou alguns nomes do elenco. “Fernanda Montenegro, despida de qualquer vaidade, Marieta Severo que entrou fundo na personagem, Lima Duarte, Bianca Bin, Sergio Guizé, Rafael Cardoso e Thiago Fragoso. Todos eles são atores maravilhosos. Mas quero destacar também dois trabalhos incríveis: o do ator português Pedro Carvalho, que fez um cego perfeito, e de Bruno Montaleone, que entrou no último terço da novela e ganhou espaço. Será sem dúvida um protagonista”, concluiu Carrasco.

 

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio