O que é Book Rosa? Prática polêmica é abordada em Verdades Secretas

O termo se popularizou na primeira exibição da novela de Walcyr Carrasco

Publicado em 24/8/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Verdades Secretas, de 2015, começa a ser reprisada na Globo nesta terça-feira (24). Aclamada pela crítica e vencedora do Emmy Internacional de Melhor Novela, conta com um enredo envolvente e repleto de polêmicas. Uma delas é o Book Rosa, termo cunhado há anos, mas que foi popularizado com a exibição da trama escrita por Walcyr Carrasco.

Mas afinal, o que é Book Rosa?

Logo nos primeiros capítulos de Verdades Secretas o público vai se deparar com cenas um tanto quanto controversas e, ao mesmo tempo, picantes. São sequências que vão envolver Fanny, a dona da agência de modelos interpretada por Marieta Severo, oferecendo um catálogo a empresários milionários. Um deles será Alexandre, papel de Rodrigo Lombardi, que se apaixonará por Arlete, vivida por Camila Queiroz.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Esse catálogo é o tal Book Rosa. Ele é composto por modelos que são oferecidas para atuarem como acompanhantes de luxo e até mesmo para prostituição. O termo, apesar de ‘leve’, remete a uma prática polêmica e obscura, mas que existe há anos nos bastidores do mundo da moda de forma velada.

O Book Rosa é acoplado dentro das agências de modelos espalhadas pelo país – e pelo mundo – como um esquema de corrupção. Os donos desses estabelecimentos que concordam em liderar esse tipo de prática acabam se tornando cafetões, como é o caso de Fanny, evidenciado na novela de Walcyr Carrasco.

“É como se fosse um programa, na verdade. Só que tem a agência”, explica uma modelo de 22 anos ao Fantástico, à época em que Verdades Secretas foi exibida pela primeira vez. “Explicaram que eu iria ganhar muito dinheiro, que tava fraco de trabalho na época e que eu ia conseguir pagar as contas que eu tava precisando pagar”, conta a jovem.

A modelo diz que aceitou fazer programas por necessidade, revelando que normalmente recebia, em média, 800 reais por noite, enquanto um evento tradicional pagava 100.

De acordo com o Sindicato das Modelos, entrevistado pelo programa da Globo, as agências que fazem Book Rosa com suas profissionais são as de pequeno porte. Segundo a entidade, esse tipo de estabelecimento não costuma pagar muito por cachê, fazendo com que as modelos aceitem formas alternativas de ganhar dinheiro. A prostituição é uma delas.

“Quando elas recebem esses convites, bate com a situação difícil que ela está passando, ela acaba aceitando um. E acaba aceitando dois. E acaba ficando nesse sistema. São mais as agências menores. Porque nas agências de médio e grande porte não há necessidade de ganhar dinheiro com a menina com esse trabalho, totalmente proibido”, destaca Jorge Rodrigues, diretor do Sindicato das Modelos de São Paulo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio