O grande sucesso Avenida Brasil terminava há cinco anos

Publicado há 3 anos
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No dia 19 de outubro de 2012, a Globo exibia o último capítulo de Avenida Brasil, um grande sucesso do horário das nove. A trama de João Emanuel Carneiro parou o país ao narrar o embate entre Nina (Débora Falabella) e Carminha (Adriana Esteves), além de apresentar personagens antológicos, como Leleco (Marcos Caruso), Tufão (Murilo Benício) e mãe Lucinda (Vera Holtz), entre tantos outros.

Avenida Brasil começa com a pequena Rita (Mel Maia) sofrendo nas mãos da inescrupulosa madrasta Carminha (Adriana Esteves) que, junto ao amante Max (Marcello Novaes), arma para que o marido Genésio (Tony Ramos) perca tudo o que tem. Quando Genésio é atropelado pelo famoso jogador de futebol Jorge Tufão (Murilo Benício) e morre, e este último, sentindo-se culpado, procura a viúva para ajudá-la, Carminha vê ali a chance de se dar bem. Ela se livra de Rita, fazendo Max largá-la num lixão, e faz de tudo para separar Tufão de sua noiva, a cabeleireira Monalisa (Heloísa Perissé), e acaba conseguindo se casar com ele. Já Max se casa com Ivana (Letícia Isnard), irmã de Tufão.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Enquanto isso, Rita é acolhida pela mãe Lucinda (Vera Holtz), uma mulher que cria várias crianças em meio ao inóspito ambiente do lixão. Ali, a menina conhece Batata (Bernardo Simões) e chega a se casar com ele, de brincadeira, mas logo ele é levado pela sua mãe biológica, Carminha, para ser criado junto com Tufão, passando a se chamar Jorginho. Ao mesmo tempo, Rita é adotada por uma família argentina e deixa o Brasil. Ela é rebatizada como Nina, cresce e se torna uma bem-sucedida chef de cozinha. Quando seu pai adotivo morre, ela finalmente toma coragem para voltar ao Brasil e colocar em prática um plano que alimentou durante anos: destruir Carminha.

Nina volta ao país e consegue um emprego como cozinheira na casa de Tufão e Carminha, passando a conviver com sua grande e barulhenta família. Na mansão construída no bairro suburbano do Divino, vivem Leleco (Marcos Caruso) e Muricy (Eliane Giardini), os pais de Tufão, além de Max e Ivana, que não tiveram filhos, e Carminha e Tufão com os filhos Jorginho (Cauã Reymond) e Ágatha (Ana Karolina Lannes). Ali, Nina faz de tudo para conquistar toda a família, oferecendo pratos sofisticados e sendo extremamente solícita com todos. Logo, toda a família Tufão fica encantada com a cozinheira, que chega a despertar a paixão de Tufão e Jorginho, mas Carminha se mostra resistente a ela.

Aos poucos, porém, Nina vai conquistando a confiança de Carminha, que passa a se abrir com a cozinheira. Ao mesmo tempo, Nina usa a amiga Betânia (Bianca Comparato), que se faz passar por Rita, para iniciar um processo de terror psicológico na vilã, ao mesmo tempo em que começa a sugerir leituras a Tufão, dando dicas ao ex-jogador de que é traído dentro de sua própria casa. Nina também se apropria do resgate de um falso sequestro sofrido por Carminha para financiar vários de seus planos, ao mesmo tempo em que é chantageada pelo asqueroso Nilo (José de Abreu), pai de Max, que também vivia no lixão. Num determinado momento da história, Carminha finalmente descobre que é enganada por Nina e a coloca numa cilada, enterrando-a viva. No entanto, Nina já tem reunida provas de que ela e Max são amantes, e passa a chantagear Carminha. Num momento em que toda a família Tufão passa uns dias foras de casa, Nina passa a tratar Carminha como empregada, disparando frases como “me serve, vadia!”.

Enquanto vai se desenrolando a história central, Avenida Brasil mostrava ainda o cotidiano do bairro do Divino, onde viviam vários personagens. Ficava ali o salão de beleza de Monalisa e Olenka (Fabiula Nascimento), e a loja de Diógenes (Otávio Augusto), que usa a sensual Suelen (Isis Valverde) para tentar fazer com que seu filho Roni (Daniel Rocha) não se assuma gay. Roni é jogador de futebol do Divino Futebol Clube, onde também atua Leandro (Thiago Martins) e Iran (Bruno Gissoni). Por ali também vive Tessália (Débora Nascimento), que desperta o amor de Darkson (José Loreto), mas acaba namorando mesmo Leleco, enquanto Muricy, para dar o troco, se envolve com o gari Adauto (Juliano Cazarré). Enquanto a classe média e emergente era mostrada no Divino, os endinheirados viviam na Zona Sul, onde corria a história de Cadinho (Alexandre Borges) e suas três mulheres, Verônica (Débora Bloch), Noêmia (Camila Morgado) e Alexia (Carolina Ferraz). Cadinho e Verônica eram pais de Débora (Nathalia Dill), noiva de Jorginho.

Avenida Brasil provocou uma verdadeira comoção no público, que foi completamente envolvido pela trama de vingança proposta por João Emanuel Carneiro. O autor, em entrevistas, relatou que a ideia da novela surgiu enquanto ainda escrevia A Favorita, e notava que a vilã Flora (Patrícia Pillar) era adorada pela audiência. A partir daí, desenvolveu a ideia de uma protagonista que tivesse cores de vilã, pois usaria de métodos pouco ortodoxos em nome de uma vingança, surgindo aí a personagem Nina. Neste ponto, o autor acabou subvertendo uma trama clássica de folhetim, já que, em novelas, normalmente é a vilã que passa boa parte da trama enganando a mocinha. Neste caso, Nina passou quase a novela toda enganando Carminha.

Carminha, aliás, caiu na boca do povo. Um dos melhores trabalhos de Adriana Esteves na televisão, a vilã fez história com suas frases cortantes, seu humor corrosivo e suas armações. A partir dela, surgiram vários memes na internet, numa época em que isso praticamente inexistia. Foi Avenida Brasil, aliás, que potencializou a audiência das redes sociais, com internautas assistindo e comentando a novela pelo Twitter e Facebook. Frases como “é culpa da Rita!” reverberaram na internet, assim como a cena em que a empregada Zezé (Cacau Protásio) surgia em cena cantando “eu quer ver tu me chamar de amendoim!”. A internet também se mobilizou por conta de um furo no roteiro de Avenida Brasil: Nina perdeu as fotos que tinha e comprovava que Carminha era amante de Max, já que só tinha cópias físicas das provas. Surgiu, então, a campanha “um pen drive para Nina”.

A novela foi o programa mais visto da TV em 2012. Em 8/10 (uma segunda-feira) registrou 49 pontos com 74% de share (participação no total de televisores ligados), com a expulsão de Carminha da mansão de Tufão. Este número repetiu-se uma semana depois. O capítulo recorde de audiência foi o último, em 19/10: 52 pontos (cada ponto equivale a 60 mil domicílios na Grande São Paulo). Avenida Brasil tornou-se a telenovela mais exportada da Rede Globo, superando Da Cor do Pecado (do mesmo autor), que era a líder de vendas para outros países até então. A novela já foi licenciada para mais de 140 países e dublada em 19 línguas como espanhol, inglês, árabe, grego, polonês, russo e francês. Além da Europa e América Latina, Avenida Brasil foi licenciada para mais de 58 países da África e países do Oriente Médio também.

Avenida Brasil teve 179 capítulos, e foi escrita por João Emanuel Carneiro, com a colaboração de Antonio Prata, Luciana Pessanha, Alessandro Marson, Márcia Prates e Thereza Falcão, tendo direção de Gustavo Fernandez, Thiago Teitelroit, Paulo Silvestrini, André Câmara e Joana Jabace, com direção-geral de José Luiz Villamarim e Amora Mautner e direção de núcleo de Ricardo Waddington.

Leia também:

Há 18 anos, Ana Maria Braga estreava seu Mais Você na Globo

Reveja a sequência em que Carminha sofre nas mãos de Nina:

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio