O clássico Chaves estreava no Brasil há 33 anos

Publicado há 3 anos
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No dia 24 de agosto de 1984, o SBT colocava no ar um programa que se tornaria a sua marca registrada e o seu curinga: o bom e velho Chaves. A série mexicana, que desembarcou por aqui junto com seu “irmão” Chapolin, já foi exibida em todos os horários possíveis na grade da emissora, e fez de Roberto Gomez Bolaños, o Chespirito, um ídolo nacional.

Há algumas controversas sobre a estreia de Chaves no Brasil. Mas, oficialmente, a data de estreia é esta mesma, 24 de agosto. A série foi exibida dentro do infantil TV Powww!, programa que tinha como principal atração um game interativo, no qual as crianças ligavam e participavam gritando “powww!” para fazer disparar um comando de um jogo eletrônico. Já Chapolin, segundo consta, estreou três dias antes, no mesmo programa.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Chaves e Chapolin vieram como parte de um imenso pacote de programas da mexicana Televisa adquiridos pelo SBT. O principal interesse de Silvio Santos era as novelas, que faziam muito sucesso pela América Latina e eram baratas. Mas a série de Chespirito veio no pacote, e o dono do SBT mandou dublar. Na época, os programas enlatados exibidos pelo SBT, como séries americanas, filmes e desenhos, eram dublados nos próprios estúdios da então TVS, sob responsabilidade da Maga. O ator Marcelo Gastaldi, a “voz” de Chaves e Chapolin, era também o diretor de dublagem.

Há quem diga que os diretores do SBT torceram o nariz para a exibição de Chaves, mas a ideia foi bancada por Silvio Santos. Já outros dizem que nem Silvio Santos gostou da atração, e só colocou no ar porque o contrato com a Televisa obrigava a exibição. Seja como for, fato é que as duas séries, em pouco tempo, conquistaram uma audiência cativa, e logo deixaram a programação da TV Powww! para se tornarem programas próprios.

Assim, as duas séries chegaram a ganhar o horário nobre do SBT, sendo exibidas na faixa das 20 horas. Mas se estabeleceram mesmo na hora do almoço, entre meio-dia e uma da tarde, faixa onde ficaram do final dos anos 1980 até meados dos anos 2000. Assim, as aventuras de Chaves, Chiquinha, Kiko, Dona Florinda e Seu Madruga, além das divertidíssimas histórias do herói atrapalhado Chapolin, tornaram-se parte do cotidiano dos brasileiros. Em qualquer horário que fossem exibidos, sempre rendiam bons índices de audiência para o SBT, daí o fato de terem se tornado curingas na grade da emissora.

Nos anos 1990, o boom do personagem Chaves fez surgir uma série de produtos licenciados, entre eles um disco com as canções da série, bonecos de vinil e até uma revista em quadrinhos, editada pela Editora Globo. Produzidas no Brasil, as HQ’s tinham alguns erros de concepção, como o fato de mostrar Pópis como uma menina bonita e que atraía todos os meninos da vila. Como se sabe, a menina bonita da vila era Pati, enquanto Pópis era a chata prima do Kiko.

A partir do ano 2000, as duas séries, até então presentes na hora do almoço e, de vez em quando, nos finais de tarde do SBT, começaram a ser afetadas por mudanças. Primeiro, veio a decisão de suspender a exibição de Chapolin, que deixou os fãs do herói órfãos. Chapolin, a partir daí, voltaria esporadicamente à grade, mas sempre em temporadas curtas. Enquanto isso, Chaves passou a ser empurrado para mais tarde na programação, muitas vezes entrando no ar após às 14 horas.

Em 2001, após muitas reprises, o SBT lança Clube do Chaves, na verdade o programa Chespirito, que trazia esquetes de Chaves e Chapolin, mas também de outros personagens de Roberto Gomez Bolaños. A atração, exibida nas tardes de sábado, não rendeu a audiência esperada pela emissora e logo saiu do ar.

Já em 2005, outro susto pegou os fãs de surpresa: o SBT anunciou que abriria mão das duas séries. Na época, a emissora avisou que não renovaria o contrato de exibição de Chaves, que ocupava a faixa das 18 horas. A ideia era exibir, no horário, a versão nacional de Rebelde Way, uma novela adolescente argentina. A pressão dos fãs foi forte, e a emissora acabou desistindo de abrir mão de Chaves. Mas a série realmente deixou a grade diária na época. A versão nacional de Rebelde Way não veio, mas a emissora passou a exibir a versão mexicana, Rebelde, no horário.

A partir daquele momento, Chaves passaria a enfrentar uma série de idas e vindas na faixa das 18 horas do SBT. Também ganhou outros horários, como às 6h dos sábados, e às 9h dos domingos, onde está sendo exibido até hoje. Em 2006, o SBT passa a exibir, também, uma série animada baseada em Chaves. O desenho registrou bons índices e foi exibido em vários horários. Já em 2011, a emissora fez uma surpresa para os fãs, resgatando vários dos chamados “episódios perdidos”, que eram episódios da série que foram ao ar entre o fim dos anos 1980 e o início dos anos 1990, mas nunca mais reprisados. A emissora justificou que deixou de exibir alguns destes episódios em razão das tramas repetidas (os chamados “semelhantes”), ou da má qualidade de som e imagem de outros deles.

No início deste ano, o SBT resgatou o título Clube do Chaves, num novo programa exibido na hora do almoço. Ao contrário da versão de 2001, esta trazia episódios clássicos de Chaves e Chapolin, mesclados com outros personagens de esquetes do Chespirito. A mistura deu certo, e o programa registrou bons índices de audiência. Mesmo assim, o bom desempenho não garantiu a continuidade da atração, que saiu do ar.

Atualmente, Chaves está fora, de novo, da programação diária do SBT, contando apenas com as exibições nas manhãs de sábado e domingo. Mas não estranhem se, logo, Chaves volte a dar as caras na programação da emissora.

Leia também:

Há 26 anos, estreava o polêmico Cocktail

Reveja um dos clássicos episódios de Chaves:

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais