O Canto da Sereia estreava há cinco anos

Publicado há 3 anos
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No dia 08 de janeiro de 2013, estreava na Globo a minissérie O Canto da Sereia. Em quatro capítulos, a obra era um suspense escrito por George Moura, Patrícia Andrade e Sérgio Goldenberg, com supervisão de texto de Glória Perez, e era baseada na obra homônima de Nelson Motta.

O Canto da Sereia girava em torno de Sereia (Isis Valverde), uma grande cantora baiana que arrastava multidões pelo carnaval afora. Quando a artista se apresentava num trio elétrico diante de uma imensa plateia em plena terça-feira de carnaval, foi atingida por um tiro e morreu na frente de todos, causando uma verdadeira comoção.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Assim, começam as investigações sobre o misterioso assassinato de Sereia. Por meio de flashbacks, o passado da cantora é revelado, desde quando conheceu Paulinho de Jesus (Gabriel Braga Nunes), seu produtor, que se encanta por ela desde que a vê saindo de uma consulta com Mãe Marina (Fabíula Nascimento). Num barzinho em que Sereia se apresenta, Paulinho conhece Mara Moreira (Camila Morgado), publicitária e amiga da cantora. Apaixonado por Sereia, Paulinho a leva até Tuta Tavares (Marcelo Médici), grande marqueteiro baiano. Assim, Mara, Tuta e Paulinho unem forças e começam a construir a carreira de Sereia. Sereia, então, se torna a grande rainha do axé.

Quando Sereia morre, Mara procura Augustão (Marcos Palmeira), guarda-costas da jovem, tentando impedir que a intimidade da artista seja exposta, já que ela e Sereia mantinham um caso. Mara confessa que a cantora havia descoberto, recentemente, um câncer na cabeça, e sabia que sua vida estava próxima do fim. Quem a apoiou em seus últimos momentos foi Só Love (João Miguel), amigo e confidente da moça. E todos se tornam suspeitos de ter atirado em Sereia.

O Canto da Sereia foi gravada durante cerca de um mês em Salvador, na Bahia, utilizando várias locações famosas da região. A produção de arte confeccionou 500 abadás — sendo 400 do trio de Sereia —, mil bastonetes, cinco grandes bolas e diversas credenciais de camarote. Para viver Sereia, Isis Valverde teve aulas de canto, prosódia e de corpo. A personagem foi um divisor de águas na carreira da atriz.

Sucesso de público e crítica, O Canto da Sereia foi alvo de uma tentativa de boicote, quando um pastor evangélico publicou em sua página no Facebook uma imagem onde associava a história que envolve a personagem interpretada por Ísis Valverde a referências ao candomblé, manifestando-se contra a temática religiosa do programa e pedindo seu boicote. O Domingo Espetacular, da Record, exibiu uma reportagem especial repercutindo as críticas do pastor. Nada que tenha afetado a produção, que foi aplaudida e defendida por diversos artistas.

Em quatro capítulos, O Canto da Sereia teve direção geral de José Luiz Villamarim e núcleo de Ricardo Waddington. Foi reapresentada no dia 6 de janeiro de 2015, abrindo o festival Luz, Câmera, 50 Anos, em formato de longa-metragem.

Leia também:

O sucesso A Casa das Sete Mulheres estreava há 15 anos

Veja uma cena de O Canto da Sereia, na qual a cantora enfrenta o governador da Bahia (Marcos Caruso):

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio