“Nunca antes imaginei que um dia eu podia sentar lá”, diz Fátima Bernardes sobre Jornal Nacional

Publicado há um ano
Por João Paulo Reis
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Durante o Encontro desta quarta-feira (20), Fátima Bernardes
usou o Dia da Consciência Negra para falar sobre os diversos tipos de
representatividade, e revelou que não imaginava ser possível uma mulher ocupar
o lugar em que ela ocupou na bancada do Jornal Nacional.

Após exibir uma matéria sobre Eliane Dias, que foi eleita em 2017, a
melhor empreendedora musical pela premiação Women’s Music Event Award, e
verdadeira sumidade no mundo do rap, Fátima falou um pouco sobre a
representatividade feminina.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Os meninos
que nos desculpem, mas acho que eu, Mayana, a gente pode se incluir nesse grupo
de inspiração porque quando a gente vê a questão da representatividade, uma mulher
que chega a um lugar em que ela deseja, ela é inspiradora para todo mundo, não
é? A gente precisa de mulheres nessas posições de poder, em todos os lugares…”,
começou ela.

“Eu só
pensei no Jornal Nacional no dia que eu vi uma mulher no Jornal Nacional, eu
nunca antes imaginei que um dia eu podia sentar lá, porque eu não via. Eu só
via homens, homens, homens. Um dia eu vi uma mulher e falei ‘ah é?’, então um
dia eu posso sonhar com isso, e é importante porque a gente fala tanto da
representatividade…”
, continuou ela sendo corroborada pela atriz Mayana Neiva, e pela
cantora Negra Li.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais