Nova plantonista do JN, Jéssica Senra passa em 5º lugar e fará mestrado em feminismo

Publicado há 10 meses
Por Gabriel Vaquer
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Informada pela Globo como uma das novas plantonistas do Jornal Nacional de sábado fixamente em 2020, a jornalista Jéssica Senra fará mestrado em feminismo na UFBA (Universidade Federal da Bahia). Ela começará os estudos no ano que vem, assim como sua nova fase nacional, juntamente com outros âncoras do Brasil, como Matheus Ribeiro de Goiás.

Senra passou em quinto lugar no para se pós-graduar na Estudos Interdisciplinares sobres Mulheres, Gênero e Feminismo (NEIM), fundado em 1981 na principal universidade pública do estado da Bahia e considerado o grupo de estudos feminista mais antigo do Brasil.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em entrevista para o Observatório da Televisão, Jéssica explicou porque optou por ampliar seus estudos na área que tanto defende no ar. Vários vídeos seus onde falava sobre feminismo no jornal que apresenta, o Bahia Meio Dia, vitalizaram na internet em Salvador.

“Os temas sociais sempre me interessaram. E sempre achei importante estudar e aprofundar sobre os assuntos para poder comentar e opinar no trabalho, pra não dizer o óbvio. Mas esse estudo sempre foi informal, com leitura de livros”, explicou ela”.

“Agora resolvi estudar de forma mais direcionada e disciplinada. Quero me qualificar mais para melhorar meu trabalho e melhorar como pessoa também”, concluiu ao dizer sobre o assunto.

“Estudar gênero e feminismo me abriu a mente”, diz Jéssica Senra

Jéssica afirmou que estudar sobre o assunto lhe abriu a mente de muitas formas nos últimos tempos, como racismo, homofobia, entre outros assuntos que permeiam a sociedade atual.

“Estudar gênero e feminismo me abriu a mente para outras questões relacionadas, como racismo, desigualdade social, homofobia… Formas de opressão que atingem as pessoas, como o machismo”, explicou a âncora.

“Então estudar a mulher é estudar muitos outros temas, estudar igualdade de gênero é despertar para a igualdade em vários outros aspectos”, concluiu.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais