No É de Casa, Ana Furtado acalma fãs sobre sua saúde e o coronavírus

Apresentadora explica não que faz parte do grupo de risco da doença

Publicado há 7 meses
Por Renan Vieira
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A apresentadora Ana Furtado falou, na manhã deste sábado (28), sobre sua saúde no programa É de Casa, da Globo.  Furtado revelou que tem recebido mensagens, pela central de atendimento da emissora, com fãs e telespectadores preocupados com o estado clínico dela em tempos de crise sanitária provocada pelo novo coronavírus.

“Bom, que eu tenho, na verdade, é um retorno para vocês. Porque quem está assistindo ao programa, o telespectador, porque depois do último programa, no sábado passado, muitas pessoas me mandaram mensagens… Não só para mim, nas minhas redes sociais, mas para nossa central de atendimento ao telespectador, o CAT, preocupada com a minha participação ao vivo aqui, no É de Casa, já que eu tive câncer de mama, em 2018”, iniciou Furtado.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

E continuou: “Afinal de contas, um dos grupos de risco do novo coronavírus é o das pessoas com doenças crônicas. Grupo em que eu não me incluo mais, graças a Deus”.

Na sequência, ela chamou para uma entrevista o médico oncologista Fernando Maluf, que comandou o tratamento dela. Ana pede para ele esclarecer por que ela não está mais no grupo de risco. “Na verdade, é importante a gente entender que existe uma pequena parte dos pacientes oncológicos que são, realmente, grupo de risco”, iniciou ele.

“A grande parte dos pacientes que tiveram diagnóstico de câncer ou até mesmo alguns que têm o diagnóstico de câncer ainda, eles não fazem parte do grupo de risco. Então, quem faz parte desse grupo de risco, não só para ter mais chance de infecção, mas, principalmente, de complicação pela infecção. Primeiro são os pacientes que têm neoplasia ou tumores hematológicos. Os mais comuns são os linfomas, leucemias e o mielomas”, explicou.

O médico contou ainda que o segundo grupo é composto por pacientes que estejam fazendo um tratamento que diminua a imunidade, como quimioterapia. Além disso, as pessoas com a doença muito avançada.

Vale lembrar que a demanda por informações sobre o novo coronavírus fez com que a própria Globo colocasse no ar um programa diário para tirar dúvidas dos telespectadores, o Combate ao Coronavírus, que elevou a audiência do canal.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais