Morre Fernando Gaitán, autor de Betty, a Feia e Café com Aroma de Mulher

Publicado há 2 anos
Por Felipe Brandão
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A televisão latina acaba de perder um seus nomes mais criativos e representativos das últimas décadas. O escritor e roteirista colombiano Fernando Gaitán faleceu na tarde desta terça-feira (29), na cidade de Bogotá. Ele tinha 58 anos e foi vítima de uma parada cardiorrespiratória.

A notícia foi, inclusive, confirmada pela assessoria de imprensa da Clínica del Country. Foi nesse hospital, localizado ao norte da capital colombiana, que Gaitán deu entrada no final da manhã.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“A Clínica del Country lamenta informar que o paciente Fernando Gaitán Salom, roteirista e produtor de televisão, faleceu no dia de hoje à 1h46 da tarde, depois de ingressar ao setor de emergência com parada cardiorrespiratória, e sem responder às tentativas de reanimação instauradas. A Clínica del Country e toda sua equipe médica expressa suas mais sentidas condolências à sua família, amigos e pessoas próximas, assim como a todos os colombianos”, afirma a nota oficial da unidade de saúde.

Leia mais: 20 anos depois, atriz continua interpretando Betty, a Feia

Folhetins icônicos

Gaitán começou a escrever para a TV em 1989. Seu primeiro grande sucesso, aliás, se deu em 1994. Foi neste ano que ele concebeu Café com Aroma de Mulher. A trama, estrelada pela estrela local Margarita Rosa de Francisco e pelo brasileiro Guy Ecker, deu a volta ao mundo e só chegou ao Brasil um pouco tardiamente, em 2001, pelo SBT. O êxito por aqui se repetiu. Por isso, a novela foi retransmitida em outras duas ocasiões (2005 e 2014).

Nada comparado, porém, à mega popularidade que Gaitán conheceria poucos anos depois, em 1999, com a estreia de Betty, a Feia. A história da secretária feiosa (Ana María Orozco) que se apaixona pelo patrão mulherengo e bonitão (Jorge Enrique Abello) foi um fenômeno sem precedentes na TV colombiana. Acabou, aliás, entrando para o Guiness Book como a novela mais adaptada da história – 22 versões ao redor do mundo.

No Brasil, o enredo pôde ser conferido não só em sua roupagem original, exibida em 2002 pela RedeTV!. Mas também nas recriações mexicana (A Feia Mais Bela, 2006), norte-americana (seriado Ugly Betty, 2006-2010) e até brasileira (Bela, a Feia, 2009, atualmente em reprise pela Record).

O último trabalho de Fernando Gaitán na telinha se deu neste ano junto à Telemundo, emissora hispânica dos Estados Unidos. Ele assessorou a produção do canal em mais uma adaptação de Betty, a Feia. Estamos falando de Betty en Nueva York, que estreia em fevereiro na grade da emissora.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais