Monalisa Perrone defende Daniela Lima após ofensa de Bolsonaro: “Inaceitável”

A jornalista repudiou o ataque do presidente à colega

Publicado em 3/6/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O Expresso CNN exibido na noite desta quarta (2) contou com uma abertura diferente que surpreendeu os telespectadores.

A apresentadora Monalisa Perrone começou o telejornal prestando solidariedade à colega Daniela Lima, que foi vítima de um ataque de Jair Bolsonaro.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A jornalista iniciou a atração mostrando seu repúdio a uma fala do presidente, que chamou a contratada da CNN Brasil de “quadrúpede”, além de alegar que Daniela era eleitora da oposição. “Não por acaso ela [Daniela] foi eleitora no passado de outra do mesmo gênero”, disse, referindo-se a ex-presidente Dilma Rousseff.

A declaração de Bolsonaro repercutiu e irritou muitas pessoas, sobretudo Monalisa, que fez questão de mostrar sua indignação ao vivo.

“Hoje, a abertura do Expresso CNN é diferente. Eu como mulher, como jornalista com 28 anos de carreira, repudio com veemência os ataques que a minha colega Daniela Lima tem sofrido. Preciso terminar dizendo algo: Inaceitável”, disse a jornalista.

Entenda a polêmica

Bolsonaro criticou Daniela Lima após ela usar um termo considerado controverso no CNN 360°. Tudo aconteceu quando ela se despediu do comentarista Fernando Nakagawa e pediu para o público não mudar de canal.

“Não saia daí porque agora, infelizmente, a gente vai falar de notícia boa, mas com valores não tão expressivos. Mercado de trabalho formal registrou um saldo positivo em abril, no mês passado, criação de mais de 120 mil empregos com carteira assinada”, destacou.

O uso do termo “infelizmente” foi em referência ao baixo número de vagas formais durante o mês de abril, que não superou as expectativas do mercado. Entretanto, apoiadores de Bolsonaro não interpretaram dessa forma e detonaram a jornalista nas redes sociais.

O empresário Luciano Hang, da Havan, esteve entre os críticos. “A jornalista disse: ‘infelizmente vamos falar de notícias boas’. De que lado será que a mídia está? Eles querem pregar o terror e quanto pior melhor, você não concorda?”, postou em seu Twitter.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio