Meu Bem, Meu Mal teve figurino chiquérrimo; confira essa e outras curiosidades da novela

Trama foi a primeira do gênero do galã Fábio Assunção na Globo

Publicado há 13 dias
Por Renan Vieira
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Os assinantes do Globoplay passaram a ter disponível a novela Meu Bem, Meu Mal, uma trama que completa 30 anos em 2020. O folhetim foi escrito por Cassiano Gabus Mendes e Maria Adelaide Amaral para o horário nobre da Globo, substituindo Rainha da Sucata, um enorme sucesso, que se tornou um clássico.

Para se ter ideia da importância da produção na época, o elenco era composto por nomes como Silvia Pfeifer, Lima Duarte, Fábio Assunção, Luma de Oliveira, Adriana Esteves, Lídia Brondi, José Mayer, Yoná Magalhães, Guilherme Karan, Nívea Maria, Herson Capri e Cássio Gabus Mendes.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A personagem de Silvia Pfeifer, Isadora Venturini, era uma mulher chique, da alta sociedade. Para compor a personagem, a produção de Meu Bem, Meu Mal viajou a Nova York para comprar vestuário de marcas de renome internacional, como Giorgio Armani e Claude Montana. O trabalho todo deu certo, porque a faixa que a morena usava na cabeça virou moda.

A equipe de cenografia caprichou ao investir em obras de artistas brasileiros. Os cenários da trama das 20h mostravam o talento de Sálvio Dare, Tomie Othake, Mônica Barki entre outros, além de ter mobília e carros importados. Passada em São Paulo, a trama contou ainda com locações reais, em restaurantes e bares da cidade.

Outra informação curiosa, é que, escrita por dois autores, havia um revezamento nos dias de trabalho no roteiro. Cassiano escrevia os capítulos de segunda, quarta e sexta-feira. Já Maria Adelaide era responsável pelos textos de terça, quinta-feira e sábado. Vale lembrar que a novela foi dirigida pela equipe de Paulo Ubiratan.

Quadragésima terceira produção das 20h, Meu Bem, Meu Mal foi a primeira novela na Globo de Zilda Cardoso, Fábio Assunção, Vera Zimmermann e Silvia Pfeifer, segundo o site Memória Globo. Foi o último folhetim de Lídia Brondi, que se afastou da vida artística. Em 1996, a emissora carioca passou a produção no Vale a Pena Ver de Novo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais