Marcos Pasquim revela perrengue em Kubanacan, que volta no Globoplay

Intérprete de Esteban, o ator revela que as gravações o deixaram exausto

Publicado há 14 dias
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A partir do dia 7 de dezembro, o Globoplay disponibiliza, na íntegra, a novela Kubanacan. De autoria de Carlos Lombardi, a trama foi o principal trabalho da carreira de Marcos Pasquim, que se desdobrou dando vida a nada menos que quatro personagens na novela. No entanto, o “eterno” Esteban Maroto revelou que nem tudo foram flores nos bastidores da produção de 2003.

Afinal, Kubanacan era totalmente centrada em seu protagonista. Esteban era a figura principal, que passava boa parte da história fugindo de bandidos. Desmemoriado, Esteban ia descobrindo detalhes sobre seu passado ao longo da história, em cenas cheias de ação e muitas participações especiais. E o ator dava vida a quatro tipos: Esteban, Dark Esteban, Adriano e León.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em entrevista a Patrícia Kogut, o ator falou sobre este momento de sua carreira. “Fazia vários personagens. Contracenei com quase todo o elenco da Globo e estava sempre fugindo da polícia, fazendo cenas de ação”, contou. Com uma grande carga de trabalho, o ator revelou que, em três meses de gravação, já estava completamente exausto.

“Pedi para o autor me dar um alívio. Quem sabe dar um tiro no personagem e deixá-lo em coma. Foi o que aconteceu: o Esteban foi baleado e entrou em coma. Só que, a partir daí, ele começou a duelar mentalmente com o lado sombrio dele, o Dark Esteban. Então, foram gravações intermináveis num ringue de boxe em que eu lutava comigo mesmo. Ali eu aprendi que devemos tomar muito cuidado ao pedir alguma coisa para o autor da novela”, revelou.

Kubanacan foi um grande sucesso de audiência em sua exibição original, mas também foi alvo de muitas críticas. Ao praticamente eliminar as tramas paralelas e investir na história de Esteban e muitas participações especiais, Carlos Lombardi criou praticamente um “seriado diário”, o que levou muitos espectadores a considerar a trama confusa. Além disso, seu desfecho é pura ficção científica, o que chocou parte da audiência.

Mesmo assim, a trama tem muitos fãs, que comemoraram o retorno da obra no Globoplay. Ao Observatório da TV, o autor Carlos Lombardi também comentou a novidade. “Fiquei muito feliz pelos fãs. Eles estavam querendo e pra mim vai ser bom para matar a saudade. A Globoplay acertou muito colocando novelas”, elogiou o novelista.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio