Leo Paixão faz balanço de Mestre do Sabor: “O nível estava alto”

O chef revela suas expectativas para a grande final do programa

Publicado há 2 meses
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nesta quinta-feira (23), a Globo exibe, ao vivo, a final da segunda temporada de Mestre do Sabor. Ana Zambelli, Dário Costa, Júnior Marinho e Serginho Jucá competem em busca do título de mestre, sempre sob a batuta de seus chefs.

Neste contexto, o chef Leo Paixão é representado por Ana Zambelli e Serginho Jucá, finalistas de seu time. Na entrevista abaixo, ele faz um balanço da temporada e revela suas expectativas para a final.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Quais as principais diferenças que destacaria da primeira para a segunda temporada?

A primeira diferença foram as mudanças que precisamos fazer para nos adaptar, pois gravávamos quando a pandemia chegou ao Brasil. Fora a pandemia, que deu uma apertada na nossa gravação, a gente já estava um pouco mais à vontade com o formato. Todo mundo. O primeiro acaba sendo aquele grande teste.

No segundo, aparamos as arestas, a produção ficou ainda mais precisa, a edição ficou linda, a trilha sonora também… E o programa ficou mais dinâmico, com menos participantes e com menos eliminações no início. Com isso acho que a gente pôde se envolver mais com a história de cada participante. Eu achei que a segunda temporada foi mais divertida ainda que a primeira.

Você considera que chegou mais preparado, adotando alguma estratégia específica?

Sim, com certeza. Entendi como funcionou no primeiro, então compreendi todo o processo, principalmente dentro da cozinha, com os times. Tudo o que a gente tem que fazer é cozinhar em pouco tempo, então preparei algumas ideias para orientar os meus chefs sobre como executar uma comida bem, mas em tempo curto. É muto diferente do que a gente faz na nossa cozinha, a gente usa muito tempo para cozinhar.

Em muitos momentos, vimos que o que diferenciava a qualidade dos pratos eram pequeníssimos detalhes. Na sua opinião, isso diz algo sobre o nível da disputa?

Eu acho que na disputa o nível estava alto, então como a pessoa está se sentindo naquele dia tem um peso maior. Cozinha tem isso, é tudo muito subjetivo. Depende não só do que o chef faz, mas do gosto de quem prova. Então, a pessoa que fica não é necessariamente a melhor e a que sai não é necessariamente a pior. Mas significa que essa pessoa que ficou foi melhor no jogo, agradou mais. O objetivo é sempre agradar mais.

Você terminou a fase “Na Pressão” com time completo. Qual foi o sentimento que isso trouxe para você?

Muito feliz em terminar a fase Na Pressão com o time completo. Eu me senti realizado. O objetivo era realmente tentar coordenar o melhor possível a equipe. E eu sou um gestor de pessoas mesmo. Desta vez, nesta temporada, eu atuei da forma que atuo na minha cozinha. Eu me soltei sem medo. Considero que coordenei eles direito.

E para os candidatos, como isso colaborou?

Acho que os candidatos ficaram bem confiantes. No início, eles chegaram a comentar comigo, diziam que eu não deixava que eles pensassem nas coisas. Porque eu acabava direcionando eles um pouco demais. Mas com o tempo eles começaram a criar uma confiança muito grande em mim e a gente criou uma sinergia. Entre eles também foi uma coisa bem sintonizada. Era uma boa sintonia no time, foi algo que funcionou muito bem. O time era realmente muito forte.

No início, conversamos bastante sobre como a primeira temporada trouxe uma repercussão para você e seus restaurantes. Nesta segunda temporada, tivemos a surpresa da pandemia. Ainda assim, sentiu diferença nessa repercussão na sua vida?

Eu acho que sim. E durante essa segunda temporada, eu me dediquei muito às redes sociais. Então, quando o programa entrou no ar alavancou ainda mais. É muito boa essa repercussão para mim, as pessoas são muito carinhosas e acho que também se identificam bastante com esse meu jeito mineiro de ser. E tem também que eu tento demonstrar que sou muito sério em relação ao trabalho, muito compromissado. Então, realmente elas me devolvem um carinho grande.

Qual foi o momento mais emocionante da segunda temporada para você?

A saída do Avillez me emocionou bastante. De todas as nossas vitórias, uma que me deixou muito emocionado foi a dos miúdos porque eu gosto muito de miúdos e eu queria muito fazer aquela sobremesa de fígado com chocolate. E realmente a surpresa do Claude com o prato me deixou muito feliz. A nossa equipe executou com muita maestria aquela sobremesa. Eles deram o toque deles e ficou realmente melhor do que eu esperava.

Quais suas expectativas para a final?

Alto nível com quatro competidores excelentes. Dário ganhou diversas vezes como melhor prato do programa, mas os outros cozinham muito bem e com o coração, com o Brasil e com alma. Vai ser bonita essa final.

Como foi ter Ana Zambelli em seu time?

A Ana é uma cozinheira com muita experiência. Acho que ela tem uma bagagem enorme para apresentar pra gente na final. Tem uma grande expectativa em cima dela. Acredito que se ela conseguir controlar essa necessidade que tem de colocar muito elemento no prato, se ela trabalhar com menos elementos, acho que vai conseguir surpreender a gente bastante.

Como foi ter Serginho Jucá em seu time?

Grande chef que cozinha com muito coração, energia e alegria. Ele surpreende a gente com a simplicidade de uma comida muito saborosa. Eu realmente espero grandes pratos vindo do Serginho. Acho ele uma pessoa incrível, que mostra muito esse Nordeste e é algo que a gente leva muito em consideração na hora de julgar.

Como a saída do Avillez fez diferença na temporada? E como a chegada do Rafa fez diferença também?

A saída do Avillez fez diferença porque ele era um gigante entre nós, uma pessoa muito importante, que fazia parte do nosso trio de forma incrível. Mas o Rafa é um grande chef brasileiro, uma pessoa que eu admiro muito, então foi muito bom estar ao lado dele, aprender com uma pessoa que tem uma gastronomia tão técnica e reconhecida.

Mestre do Sabor é um formato original Globo, com direção artística de LP Simonetti e direção geral de Aida Silva. A etapa final da segunda temporada do reality gastronômico será nesta quinta-feira, dia 23, após Fina Estampa. O programa também será exibido no GNT, na sexta-feira, às 22h.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais