Lembra delas? Algumas solteironas das novelas, assim como a Clotilde de Éramos Seis

Publicado há um ano
Por Fábio Costa
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na nova novela das 18h da Globo, Éramos Seis, escrita por Ângela Chaves, uma das personagens com maior teor romântico é Clotilde. Simone Spoladore interpreta esta que é uma das irmãs da protagonista Lola (Glória Pires) e que, embora bonita e prendada, segue solteirona. Tanto Lola quanto Olga (Maria Eduarda de Carvalho), a irmã mais nova, no decorrer da história constituem grandes famílias, enchendo de netos a matriarca D. Maria (Denise Weinberg). Hoje vamos relembrar algumas das solteironas das novelas.

Irmãs Cajazeira: inesquecíveis solteironas das novelas

As Irmãs Cajazeira com o bem-amado Odorico (Paulo Gracindo) (Divulgação / Globo)

Um dos maiores ícones entre as solteironas das novelas foi criado por Dias Gomes. A novela O Bem-amado (1973), pioneira na produção do gênero em cores, trouxe entre seus personagens as famosas Irmãs Cajazeira. Toda a pequena Sucupira conhecia Dorotéa (Ida Gomes), Dulcinéa (Dorinha Duval) e Judicéa (Dirce Migliaccio), as mais fervorosas correligionárias do prefeito Odorico Paraguaçu (Paulo Gracindo). Ele mantinha casos com as três, apesar de não querer se casar com nenhuma. Claro que publicamente a imagem que as Cajazeiras mantinham era de “donzelas juramentadas”.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Violeta

https://www.youtube.com/watch?v=Lh2pGGFnJmk

A irmã se casou, tem uma filha já casada e, portanto, logo pode ser avó. O irmão mais moço já é homem feito e tem uma noiva. De modo que sobrou para Violeta (Aracy Balabanian) a tarefa de cuidar dos pais idosos em O Casarão (1976), novela de Lauro César Muniz. Especialmente do pai, Atílio (Mário Lago), já senil e cada vez mais desconectado da realidade. Violeta se apaixona, já perto dos 40 anos, justamente pelo grande amor da vida de sua mãe, Carolina (Yara Cortes): o pintor João Maciel (Paulo Gracindo).

Irene

https://www.youtube.com/watch?v=I_6rqf4Cwhk

Na novela Água Viva (1980), de Gilberto Braga, Eloísa Mafalda interpretou Irene. Secretária da clínica do renomado médico Miguel Fragonard (Raul Cortez), ela era o verdadeiro esteio da família, uma vez que seu irmão mais moço Evaldo (Mauro Mendonça) não deu certo na vida. Era Irene quem sustentava Evaldo, a cunhada Vilma (Aracy Cardoso) e a sobrinha, Janete (Lucélia Santos). A jovem discordava do modo de vida dos pais e incentivava a tia a viver sua própria vida. A certa altura da novela, Irene enfim ouviu os conselhos de Janete e iniciou um romance com Marciano (Francisco Dantas).

Mocinha: a “Viúva Virgem” firme na lembrança entre as solteironas das novelas

Lucinha Lins e Rui Rezende nos bastidores de Roque Santeiro

A população de Asa Branca a conhecia como “Viúva Virgem”. Tudo porque Mocinha (Lucinha Lins) fora noiva do mártir local, morto há 17 anos em combate com bandidos, e desde então nunca mais se envolveu com homem algum. Em Roque Santeiro (1985/86), de Dias Gomes, escrita com Aguinaldo Silva, a personagem marcou com seus rompantes histéricos e os surtos que a levavam a sair à noite vestida de noiva. Embora fosse apaixonado por Mocinha, o Professor Astromar (Rui Rezende) não conseguiu conquistá-la.

Carmosina

Carmosina (Arlete Salles) em Tieta (Reprodução)

Grande amiga da personagem-título vivida por Betty Faria, em Tieta (1989/90) Carmosina (Arlete Salles) era a solteirona da vez. Ela vivia com a mãe, D. Milu (Mirian Pires), de quem herdou o cargo na agência dos Correios e o hábito de bisbilhotar a vida alheia. Com efeito, o famoso método do bico da chaleira, que amolecia a cola que lacrava as cartas, foi muito usado por elas a fim de saberem dos acontecimentos de foro íntimo dos habitantes de Santana do Agreste. Já passada dos 40, Carmosina ainda se mantinha “invicta”. Mas Tieta fez das suas e convocou Gladstone (Paulo José) para “inaugurá-la”. O fato estremeceu a amizade das duas, mas nada que o tempo não curasse. Sem dúvida, Carmosina está entre as diversas personagens marcantes desenvolvidas por Aguinaldo Silva, Ana Maria Moretzsohn e Ricardo Linhares. A saber, aqui com base no romance de Jorge Amado.

Ilka Tibiriçá: lugar garantido entre as solteironas das novelas

Cássia Kiss em Fera Ferida (Divulgação/TV Globo)

Agora partindo da obra de Lima Barreto, o trio de autores criou Fera Ferida (1993/94). A novela apresentou outra das grandes solteironas da teledramaturgia. Ilka Tibiriçá (Cássia Kiss) era cunhada do prefeito de Tubiacanga, Demóstenes (José Wilker), e trabalhava na Prefeitura. Ilka era espezinhada por ele e pela irmã Salustiana (Joana Fomm), e se ocupava de fuxicar sobre a vida alheia na falta de coisa melhor. No entanto, ela se apaixonou pelo ex-atleta Ataliba Timbó (Paulo Gorgulho), e se empenhou bastante para curá-lo da impotência sexual que o acometia. As cenas românticas do casal ao som de “Al Di Lá”, com Emilio Pericoli, tema também do filme O Candelabro Italiano, estão na memória dos espectadores da novela.

Genésia

Vladimir Brichta e Júlia Lemmertz em Porto dos Milagres (Divulgação)

Aguinaldo Silva e Ricardo Linhares criaram outra das marcantes solteironas das novelas. Júlia Lemmertz foi a Genésia de Porto dos Milagres (2001), cuja reprise chega ao fim esta semana no Canal Viva. Filha mais velha de Deodato (Flávio Galvão) e Epifânia (Cláudia Alencar), Genésia era o oposto da irmã, Socorrinho (Mônica Carvalho). Enquanto esta era sensual e alegre, aquela era mal-humorada, carola e infeliz. Até que o forasteiro Ezequiel (Vladimir Brichta) demonstra interesse por ela, no que foi correspondido, apesar das negativas. Na reta final da história, para fugir ao desejo que a consumia Genésia chegou a acertar tudo para ingressar num convento e se dedicar à vida religiosa, mas isso não se concretizou. Um bom patrimônio amealhado pela família tornou-a alvo da cobiça do falido Rodolfo Augusto (Marcelo Serrado), filho de Augusta Eugênia (Arlete Salles) e Oswaldo (Fúlvio Stefanini).

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais