Lacombe diz que Poppovic “exime os traficantes de culpa” e ela rebate: “Não manipula as informações”

Publicado há um ano
Por Guilherme Rodrigues
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na edição desta quarta-feira (25) do Aqui na Band, Luís Ernesto Lacombe e Silvia Poppovic resolveram se pronunciar após virarem notícia na mídia depois de discordarem sobre o caso de Ágatha, menina de oito anos que morreu após ser vítima de bala perdida no Complexo do Alemão, comunidade do Rio de Janeiro.

“Quando você vê dois jornalistas com posições diferentes, debatendo, a polarização está tão gigantesca que já põem rótulos. Eu tenho gente no meu Instagram dizendo coisas absurdas. Se perdeu o fio terra. Nós podemos ter opiniões diferentes, e sermos amigos, nos respeitarmos”, disse a apresentadora.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Quando você começa a partir para agressão pessoal, xingamento, ameaça, pra mim isso significa que você não tem argumentos para a ideia da pessoa. A discussão pra mim é no campo das ideias”, analisou o comunicador.

Depois, os famosos voltaram a debater a polêmica. “Não existe uma ordem para ‘sentar o dedo’, atirar, não existe. Se foi culpa realmente da polícia, esses policiais têm que responder pelo crime”, declarou Lacombe.

“Quando o governador fala ‘acerta na cabecinha, atira de helicóptero em cima da comunidade’, e estimula esse tipo de violência, isso é uma maneira direta de falar ‘olha, quero resultado’, essa é a questão”, rebateu Silvia.

Passado

Lacombe relembrou que trabalhou em comunidades cariocas como repórter e que na época não precisava usar colete, capacete para se proteger. “Você não acha que deveria ter evoluído para outro patamar? Você tá falando de algo de 30 anos atrás”, analisou a famosa.

“O que me pareceu na segunda é que você exime de culpa os traficantes. Os moradores de bem de uma comunidade, que são a grande maioria, não são reféns da polícia, são reféns dos traficantes”, afirmou o jornalista.

“Primeiro que eu acho que traficante não mora na favela. Quem mora na favela é quem passa droga. Traficante mora no seu condomínio, lá na Barra, ou em outros, escondido, mora bem. Traficante é rico, não precisa morar no morro”, apontou a comunicadora.

Discordância

“Eu falei de política do governo do Estado, não falei de traficante. Não tenho nem autoridade pra discutir, não subi o morro em nada disso, mas como mulher, brasileira, tô vendo nesse ano que cinco crianças já morreram. Essa política não está trazendo bons resultados”, analisou Poppovic.

“Como não tá? A gente teve queda em todos os índices de violência no Rio”, rebateu Lacombe. “Não manipula as informações. Vocês estão querendo debater o assunto, vamos falar então. Existe hoje no Brasil uma queda da criminalidade, agora é insuficiente. Usar esse número, é como se estivesse desculpando”, reagiu Silvia.

Lacombe declarou que nunca viu no Rio de Janeiro um policiamento tão eficiente. “Na minha região, Barra da Tijuca, estou vendo constantemente dupla de PMs fazendo patrulhamento”, apontou o profissional.

“Isso tudo é obrigação do Estado. Ótimo que tenha melhorado, agora pergunta para o pessoal do morro se melhorou, isso que é a questão. As crianças estão morrendo”, seguiu Poppovic.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais