Kátia Barbosa elogia participantes de Mestre do Sabor: “Fiquei bem impressionada com a qualidade”

A chef fala das expectativas da grande final da competição

Publicado há 2 meses
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nesta quinta-feira (23), a Globo exibe, ao vivo, a final da segunda temporada de Mestre do Sabor. Foi uma temporada cheia de surpresas, com os desafios da pandemia, que culminou até mesmo com a substituição de um chef: saiu José Avillez e entrou Rafa Costa e Silva.

Estas emoções mexeram com Kátia Barbosa, que emplacou seu segundo ano como chef da atração. Na entrevista abaixo, ela faz um balanço da temporada e revela suas expectativas para a final.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Quais as principais diferenças que destacaria da primeira para a segunda temporada?

Eu gostei muito desse esquema da repescagem. É uma nova oportunidade, traz esperança. Temos o tempo de consertar alguma avaliação equivocada. Acho que os candidatos também chegam mais preparados, já sabendo as provas. Na primeira, nós também não sabíamos exatamente como ia ser o programa. Era muita informação. Agora, todo mundo conhece a dinâmica da competição. O cara se prepara, estuda um pouco mais, testa algumas receitas. Isso foi fundamental para os candidatos. Eles estavam menos estressados, menos nervosos.

Você considera que chegou mais preparada, adotando alguma estratégia específica?

Eu não sou uma pessoa de estratégia (risos). Nem conseguiria. Porque sou muito emocional. Quando uma comida me emociona, uma pessoa me emociona, eu não consigo ter estratégia. Achei que cheguei mais solta que na primeira vez, me sinto mais livre. Mas não tenho estratégia mesmo.

Em muitos momentos, vimos que o que diferenciava a qualidade dos pratos eram pequeníssimos detalhes. Na sua opinião, isso diz algo sobre o nível da disputa?

Tenho o sentimento de que no primeiro programa os candidatos eram mais técnicos. Mas esse grupo de agora tem uma percepção de sabor muito interessante. Senti ainda que estavam emocionalmente mais seguros, mais estáveis, talvez porque já tenham chegado sabendo como funciona a competição. Nessa temporada, os chefs têm também uma pegada de tempero e comida brasileira bem mais forte. Fiquei bem impressionada com a qualidade do sabor que eles trouxeram pra gente.

No início, conversamos bastante sobre como a primeira temporada trouxe uma repercussão para você e seus restaurantes. Nesta segunda temporada, tivemos a surpresa da pandemia. Ainda assim, sentiu diferença dessa repercussão na sua vida?

Com certeza. Na verdade, como as pessoas estavam mais em casa, acordando mais tarde, dormindo mais tarde, tenho a impressão que muito mais pessoas foram assistir o programa e muito mais pessoas se interessaram por ele. Sinto que minha popularidade cresceu, inclusive. Hoje, se eu saio na rua para resolver qualquer assunto, é impressionante porque as pessoas fazem uma festa quando me encontram. Elas não acreditam que sejamos tão acessíveis.

Mesmo durante a pandemia, continuei fazendo delivery nos meus restaurantes. Nunca consegui deixar de ir ao mercado. E cada vez que vou é uma festa. As pessoas acham muito legal essa acessibilidade. Acham curioso o fato de eu ser uma pessoa normal, que vai ao mercado, vai à padaria. (risos) É um termômetro bem bacana essa recepção do público. Não quero perder isso.

Como é essa repercussão para você, especificamente na internet?

Grande. Vejo isso na interação com o público durante o programa, nos meus perfis e também dos restaurantes. E foi só começar o programa para começar a loucura de novo. A cada quinta são milhares de seguidores novos. Isso é muito bacana também. As pessoas interagem absurdamente. Mandam mensagens, me marcam. É tanto “eu te amo”, que nem sei. (risos). Esses dias minha filha me disse que fundaram um fã clube para mim (risos).

Qual foi o momento mais emocionante da segunda temporada para você?

Tivemos vários momentos muito bacanas. Ver o Jefferson Rueda apresentando o trabalho dele foi muito emocionante. Ver o Junior crescendo tecnicamente ali no programa, se esforçando, é uma coisa que me emociona bastante também. Ver duas mulheres na semifinal me emociona demais também.

Quais suas expectativas para a final?

Eu sonhei com esse dia. Queria muito que um dos meus meninos ganhassem. Não por vaidade pessoal, porque não tenho isso. Mas porque eu acho que eles realmente merecem, são gênios. Mas por outro lado, acho que a Ana Zambelli é dona de um talento absurdo e de um esforço gigantesco. Para nós, mulheres, esforço pontua nossa carreira. Até hoje eu sinto a pressão e o preconceito por eu ser mulher. Por eu não ter a nota técnica, não ter viajado pelo mundo e feito escola em outros lugares, como outros chefs. É uma verdade, eu sinto mesmo.

Então, acho que seria lindo se eu ganhasse com meus meninos. Mas também vou ficar mega feliz se a Ana Zambelli ganhar. Porque ela levará a expectativa de milhares de mulheres junto com ela. De uma forma ou de outra, eu acho que só pode ser uma final de grandes emoções. É o que espero. O fato de o programa ser ao vivo não me deixa nervosa. Sou muito eu mesma o tempo todo, só tenho que me controlar para não falar palavrão (risos). A verdade é que eu tenho medo mesmo é de engasgar, cair, algo assim.

Como foi ter Dário Costa em seu time?

Eu acho o Dário um menino talentosíssimo e corajoso pra cacete. No início do programa, houve uma polêmica envolvendo nós dois, de uma troca que tivemos. Acho que naquele dia o Dário e outros chefs estavam preocupados com seus restaurantes devido às notícias da pandemia e eu achei que ele estava com dificuldade de focar. Estava andando de um lado pro outro e hoje eu vejo que é a maneira dele pensar, de organizar os pensamentos. Eu falei naquele dia para o Dário que a minha função era levá-los para a final e a gente se entendeu, se abraçou. Eu tenho o maior carinho pelo Dário e respeito também.

Como foi ter Junior Marinho em seu time?

O Junior é gentil, meigo, delicado. E não tem como não gostar de uma pessoa que é assim? Que se expõe, expõe suas emoções. É um menino de uma sensibilidade incrível e de uma coragem absurda. Ele nunca tinha feito o socarrat, por exemplo. Ouviu uma conversa, chegou no hotel à noite e foi pesquisar. No dia seguinte fez o prato perfeitamente. Talento puro. Eu tenho uma alegria ferrada de estar com esses dois na final. São duas pessoas completamente diferentes, mas ambos com um talento absurdo.

Mestre do Sabor é um formato original Globo, com direção artística de LP Simonetti e direção geral de Aida Silva. A etapa final da segunda temporada do reality gastronômico será nesta quinta-feira, dia 23, após Fina Estampa. O programa também será exibido no GNT, na sexta-feira, às 22h.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais