Juliana Paes já está sentindo falta de Maria da Paz: “Momento meio deprê”

Publicado há um ano
Por Renan Vieira
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Juliana Paes foi uma das convidadas do programa Altas Horas deste sábado (23). A atriz falou sobre a puxada carga de trabalho como protagonista de A Dona do Pedaço, que teve seu último capítulo exibido na sexta-feira (22). Na trama sua personagem, Maria da Paz terminou a novela feliz ao lado do amor de sua vida, Amadeu (Marcos Palmeira), reconstruindo sua vida, após ter levado um golpe da vilã Josiane (Agatha Moreira). 

Juliana contou que a popularidade da personagem é tanta que onde ela passa as pessoas perguntam se tem bolo, ou se ela vai distribuir um pedaço do bolo mágico, famosa receita que a personagem falou durante toda a trama de Walcyr Carrasco. 

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“A vontade quando acaba a novela é dormir por um ano, mas agora que acaba primeiro tem um momento meio deprê, essa que é a verdade. Claro que a gente, quando está no finalzinho, faltando poucas semanas para terminar, fica louco para acabar, para ter sua vida de volta”, disse.

E continuou: “Nessa personagem, eu fiquei muito sendo a Maria da Paz, e aí nas últimas semanas você pensa ‘até que enfim eu vou descansar’. Aí na primeira semana pós novela sem gravar, já pensei ‘Cadê  meu lenço? Cadê minha carrocinha? Cadê meus bolos?’ aí começa a dar aquela bad trip da saudade que vem forte dos personagens. O personagem é como um amigo que vai embora e você não sabe quando vai vir de novo”.

E mais!

Depois do programa exibir um vídeo sobre a trajetória de Maria da Paz em A Dona do Pedaço, Juliana ficou emocionada. “O que eu falo agora? Eu fiquei aqui olhando essas cenas, é muito tempo que a gente passa vivendo um personagem, e a entrega é muito grande. Eu passo mais tempo como Maria da Paz do que como Juliana. É muita doação, é muita entrega. Você está tomando banho e pensando como personagem. O jeito de falar, é muito visceral o que a gente faz. Talvez as pessoas não tenham a noção do quanto tempo a gente se dedica para isso. Não é só o momento de gravar. Você volta para a casa, pega os textos, debruça sobre eles, estuda as cenas do dia seguinte, é uma imersão total, e esse carinho do público…no aeroporto foi difícil andar, esse feedback todo é um presente. Meu coração fica quentinho. Estou muito grata, feliz, lisonjeada, sei lá mais o que estou, obrigada gente”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais