Isabelle Drummond revela peripecia na época do Sítio: “Sumia com uns maços de cigarro”

Atriz viveu a irreverente boneca de pano entre 2001 e 2006

Publicado em 28/6/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A Emília, do Sítio do Picapau Amarelo (2001 – 2006), é considerada uma das personagens mais emblemáticas da carreira de Isabelle Drummond. Em conversa com a colunista Patrícia Kogut, do Jornal O Globo, a artista relembrou uma situação divertida durante as gravações da atração.

“As pessoas me contam tantas histórias do passado. Que eu perguntava várias coisas de adulto, eu me metia na vida delas (risos)… Me lembro que de vez em quando eu sumia com uns maços de cigarro porque eu via aquelas fotos horríveis. E tinha pessoas que eu amava muito, que eu era apegada. Aí eu escondia o cigarro”, recordou a atriz.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Eles ficavam loucos: ‘Onde está meu maço, Isabelle? Onde está meu maço?’. E fazia muita arte. Mas me divertia. Foi um período interessante da minha vida. Sempre fui muito independente. Minha mãe (a decoradora Damir Drummond) passou maus bocados comigo”, disse. 

“Hoje ela lembra com alegria. Eu dei muito trabalho na infância. Depois eu fiquei quietíssima. Quando acabou o Sítio, eu já era uma pessoa quieta para caramba. Era aquela fase de adolescente, né? As pessoas nem me reconheciam. Falavam: ‘Cadê a Emília? Desapareceu’. Normal, né? Foi muita energia gasta”, acrescentou Isabelle Drummond.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio