Isabella Assumpção explora a França Jurássica no Globo Repórter

Publicado há 2 anos
Por Greicehelen Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O Globo Repórter desembarca numa região da França pouco conhecida e explorada nesta sexta-feira (05), na Globo, logo após o Big Brother Brasil. Sob o comando de Isabella Assumpção, a reportagem destaca a França Jurássica.

Na região que deu origem ao nome “jurássico”, mais de 1.500 pegas de dinossauro, marcas de 150 milhões de anos atrás, ainda podem ser observadas. “É uma das coisas mais impressionantes que eu já vi na minha vida”, conta Isabella.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Além dos rastros históricos, no local também é fabricado o exclusivo queijo comté, que leva o nome da região, e o vinho amarelo, que dura mais de 100 anos e é raro no Brasil.

Os queijos comté são enormes, com 60 centímetros de diâmetro e 40kg, fabricados com quase 400 litros de leite. São fabricados apenas no Alto Jurá, com leite das vacas Montbeliarde, mais encorpado. O queijo nasceu da união dos montanheses para sobreviver ao inverno rigoroso da região.

Eles juntavam suas produções de leite para que o queijo, enorme, durasse muito tempo e alimentasse a todos. Passado tanto tempo, eles mantêm a tradição pois acreditam que um dos segredos do queijo comté é manter o modo de preparo artesanal e o rigor com a fabricação.

O raro vinho amarelo

Assim como o queijo da montanha, que precisa de tempo para amadurecer, o vinho Jaune, conhecido com o vinho amarelo, muito forte e raro, só é feito no Maciço do Jurá. “É um vinho muito forte, mas bom. Combina bem com o queijo”, revela a repórter.

Ele não recebe nenhum aditivo e fica no barril de seis a oito anos, se protegendo da ação do oxigênio. É o vinho de vida mais longa entre todos os outros.

O Globo Repórter visita ainda o Centro Athenas, na cidade de L’Étoile. A região tem como objetivo proteger a fauna silvestre do alto Jura. Mais de 15 mil animais já foram salvos por voluntários do centro, onde são tratados alimentados e devolvidos à natureza. Entre as diversas espécies ajudadas estão: linces, falcões, gaviões e corujas.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio