Intérpretes falam sobre dancinhas de Nico e Leco em Quanto Mais Vida, Melhor!

Carlos e André Silberg levam para a novela as danças que os consagraram nas redes sociais

Publicado em 13/12/2021 19:42
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Engana-se quem pensa que Neco (Carlos Silberg) e Leco (André Silberg) serão meros fantoches de Cora (Valentina Bandeira) em Quanto Mais Vida, Melhor!. Apesar de, inicialmente, cumprirem sem questionar as ordens da irmã mau caráter, que está presa, e de se darem mal por isso com frequência, o talento artístico dos jovens começa a aparecer no capítulo desta segunda-feira (13).

Na trama, os dois levam Flávia (Valentina Herszage) para o motel para que ela seduza Conrado (Alex Nader) e faça o miliciano adormecer. Enquanto isso, eles aguardam na suíte ao lado, o aviso dela para poder roubar o dinheiro do bandido, seguindo o plano armado por Cora.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Os dois ocupam a suíte luxo Golden vip do Motel Arriba Caracas e se divertem mesmo sem companhia.  Na cena, os dois vão dançando até o frigobar, voltam para a pista de dança e no pole dance fazem uma coreografia. Essa será a primeira vez em que dois irmãos levarão para seus respectivos personagens as dancinhas que os celebrizaram nas redes sociais.

As cenas de dancinha começaram a partir dessa do motel. Eles [direção da trama] viram que a gente mandava bem e começaram a colocar em várias cenas. E a gente ganhou espaço criativo também, pois éramos nós quem criávamos as coreografias. Eles confiaram e deu certo!”, anuncia André, sobre as coreografias que passarão a entrar no roteiros de Neco e Leco.

Nascidos em Porto União, cidade no interior de Santa Catarina, os irmãos gêmeos Carlos e André Silberg, de 22 anos, contam detalhes da entrada e dos bastidores das gravações na novela das sete.

Como chegaram até a novela?

ANDRÉ SILBERG – Eles [direção] estavam procurando gêmeos univitelinos da nossa idade, atores. Aí, surgiu o teste em janeiro de 2020. Passamos de primeira sem fazer outros.  Já sabiam que seria a gente.

Como foi gravar a novela? Qual foi a cena mais complexa e a mais divertida?

ANDRÉ – Foi a experiência de maior aprendizado da nossa vida com certeza, tanto no profissional quanto no pessoal, de crescimento absurdo. A troca com os atores experientes e disponíveis ajudou muito! A cena mais divertida com certeza foi a da primeira dancinha, na sequência do motel. E a mais complexa foi uma cena de luta sem dublês, por ser uma das primeiras cenas que gravamos, foi difícil e desafiador!

CARLOS SILBERG – Essa dancinha do motel foi a primeira que a gente gravou, com certeza, foi a cena que a gente estava mais à vontade, por estar nessa zona de conforto e nos divertindo muito! A gente mesmo que coreografou os passos.

Como está a repercussão desde a estreia? Já aumentou o número de seguidores?

ANDRÉ – Olha, já temos vários fã clubes (risos). O número de seguidores tem aumentado aos poucos, acredito que seja exponencial.

CARLOS – Éramos conhecidos por dancinhas e dublagens. Mas desde a estreia, sempre que postamos um vídeo lá somos reconhecidos pelos gêmeos da novela. A repercussão tem acontecido aos poucos, principalmente, quando estamos juntos. O tom loiro do cabelo também chama um pouco a atenção. Mas já reconhecem a gente em ruas, restaurantes, bares.

Quem começou a dançar primeiro?
André – Os dois começaram a dançar juntos, aos 9 anos de idade, e nunca mais conseguimos parar! Achamos que seria só um hobby e pra diversão, mas felizmente acabou virando trabalho. Muito doido ver que encontramos uma paixão em comum além da dança, a atuação agora!

Eram confundidos nas gravações? De quem ficaram mais próximos?

ANDRÉ – Acontecia bastante. Mais pela equipe do que pela direção. Mas foi facilitando durante as gravações, os atores amigos já sabiam quem era quem facilmente. Na verdade, era mais fácil saber quem era Carlos e Andre, do que Neco e Leco. Ficamos bem amigos de muitos atores da novela, mas mais próximos dos atores do nosso núcleo como Valentina Herszage, Valentina Bandeira, Jaffar Bambirra, Nina Tomsic, Ana Hikari, Carol Garcia, Mateus Solano, com quem a gente contracenava mais.

O que Neco e Leco têm de vocês?

ANDRÉ – Leco e Neco são personagens bem fora da nossa realidade, então, começamos no primeiro trabalho com um processo desafiador. Acho que a única coisa que temos em comum é o fato de serem gêmeos e dançarem. De resto não tem nada a ver com Carlos e André. Sobre o sotaque, que foi base pra construção deles, fizemos fonoaudióloga, prosódia, porque os personagens são cariocas.

CARLOS – Acredito que o que eu tenho em comum com o Neco é a persistência em algumas situações, mas a dança com certeza é o que mais aproxima a gente.  Interpretar os gêmeos Neco e Leco foi desafiador e divertido! Fizemos cenas que jamais imaginaríamos, de ação principalmente. E ainda tivemos o prazer de dar vida a personagens totalmente fora da nossa realidade de vida.

Em quem se inspiram quando dançam?

ANDRÉ – Les Twins, os dançarinos gêmeos franceses.

Quanto Mais Vida, Melhor! é criada e escrita por Mauro Wilson, com direção artística de Allan Fiterman. Escrita com Marcelo Gonçalves, Mariana Torres e Rodrigo Salomão, direção geral de Pedro Brenelli e direção de Ana Paula Guimarães, Natalia Warth, Dayse Amaral Dias e Bernardo Sá. A produção é de Raphael Cavaco e a direção de gênero é de José Luiz Villamarim.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio