Instituto de Luciano Huck é condenado e terá que indenizar vencedor de concurso

Publicado há 3 anos
Por Gabriel Vaquer
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O apresentador da Globo, Luciano Huck e seu instituto, o Criar de TV e Cinema, terão que indenizar o vencedor de um concurso realizado em 2013, do qual ajudou na organização e promoção.

Tal concurso oferecia uma bolsa de estudos nos Estados Unidos, para o premiado aprimorar os seus conhecimentos técnicos em TV e cinema. Ele foi feito em parceria entre o Criar e a Brax Brazilian Experience.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Veja mais: Quiz show de Luciano Huck mostra que simplicidade também dá audiência

A celeuma aconteceu porque o vencedor só conseguiu todos os vistos para ir aos EUA poucos dias antes da viagem, e não quando foi declarado o primeiro colocado. Usando esse argumento, a Criar e a Brax não pagaram a bolsa e a viagem prometida em 2013.

No ano seguinte, o argumento apresentado para não pagar a ida do vencedor aos EUA foi ausência de disputa naquele ano por conta da Copa do Mundo no Brasil. Com isso, ele entrou com um processo, que corria na Justiça até o último mês de setembro.

Julgado pela 22ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, através do relator, o desembargador Roberto Mac Cracken, deu ganho de causa ao vencedor do concurso, e condenou o Instituto criado por Luciano Huck a pagar R$ 5 mil como indenização por danos morais e R$ 28,6 mil como compensação por danos materiais.

Na sentença, o magistrado disse que os criadores do concurso agiram de “notória má-fé” contra quem disputou o prêmio tão prometido. “Com todas as vênias, dias antes da viagem o autor apresentou o visto, inexistindo nos autos prova de que havia um cronograma para apresentação de documentos, conforme bem destacado na sentença recorrida”, afirmou.

O processo ainda cabe recurso em esferas maiores da Justiça brasileira. A Brax, em sua defesa, argumenta que não comprou as passagens por medo do vencedor não ser admitido nos Estados Unidos. Já a Criar, de Luciano Huck, diz que ajudou apenas a organização do concurso.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio