Há sete anos, Globo lançava a segunda versão de Ti Ti Ti

Publicado há 3 anos
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No dia 19 de julho de 2010, estreava na faixa das 19 horas da Globo a novela Ti Ti Ti. Uma das melhores e mais bem-sucedidas novelas das sete da década, a trama era assinada por Maria Adelaide Amaral, que recriou duas obras de Cassiano Gabus Mendes: Plumas & Paetês, de 1980, e Ti Ti Ti, de 1985.

A espinha dorsal da Ti Ti Ti versão 2010 era a mesma da original de 1985, mostrando a rivalidade entre dois costureiros rivais, Jacques LeClair (Alexandre Borges) e Victor Valentim (Murilo Benício). Jacques era o codinome de André Spina, que era amigo de infância de Ariclenes Martins, o “criador e intérprete” de Victor Valentim. Criados juntos, os dois acabaram desenvolvendo uma inimizade, que se tornou uma intensa rivalidade.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Jacques LeClair está no auge de sua fama como estilista e costureiro, porém passa por uma séria crise criativa. Ele conhece a espalhafatosa Jaqueline Maldonado (Claudia Raia), que passa a auxiliá-lo na criação de seus modelitos. A maluca mulher, no entanto, se apaixona perdidamente por Jacques, e acaba se separando do marido, o mau-caráter Breno (Tato Gabus Mendes), para ficar com o costureiro. Já ele não corresponde a este amor, mas resolve usá-lo para manter Jaqueline por perto, pois sem ela não consegue mais criar. Enquanto isso, Ariclenes, o Ari, vive numa eterna pindaíba, sempre pensando numa maneira de ganhar dinheiro. Ao conhecer a idosa Cecília (Regina Braga), que vive criando vestidinhos para suas bonecas, ele tem uma ideia genial: passa a copiar os modelitos e, com a ajuda do filho Luti (Humberto Carrão) e das amigas costureiras Marta (Dira Paes) e Nicole (Elizângela), se lança no mercado da moda como o misterioso espanhol Victor Valentim.

Paralelamente, desenvolve-se a história da mocinha Marcela (Isis Valverde), que vive em Minas Gerais e é amiga do casal gay Julinho (André Arteche) e Osmar (Gustavo Leão). Ela vai ao Rio de Janeiro com Osmar, mas os dois sofrem um grave acidente. Osmar morre e Marcela, que passa dias desacordada, é amparada por Bruna (Giulia Gam) e Gustavo (Leopoldo Pacheco), pais de Osmar, que acreditam que ela é a namorada do filho. Como Bruna não sabia que o filho era gay, e Gustavo não tem coragem de contar à esposa, tendo em vista sua posição conservadora e sua saúde debilitada, pede à Marcela para manter a aparência. O problema é que ela está grávida de Renato (Guilherme Winter), e Bruna acredita que o bebê é de seu filho morto. Tempos depois, Marcela acaba se envolvendo com Edgar (Caio Castro), irmão de Osmar, e o relacionamento é defenestrado por Bruna. Para piorar, Renato reaparece, formando um intrincado triângulo amoroso.

Assim, Maria Adelaide Amaral fundiu, com muita habilidade, as tramas de Ti Ti Ti e Plumas & Paetês. Da primeira, manteve a abordagem do mundo da moda, centrada em André e Ari, além de várias tramas paralelas; e da segunda, adaptou a saga de Marcela, além de manter a história de amor entre a rica Rebeca (Christiane Torloni) e o humilde Gino (Marco Ricca). As tramas se encontravam por meio da revista Moda Brasil, editada por Suzana (Malu Mader), ex-mulher de Ari, e que pertence a Gustavo, pai de Edgar. Assim, com duas histórias principais, Maria Adelaide Amaral conseguiu fazer uma novela que atendesse a todos os públicos, pois, com a briga entre Jacques LeClair e Victor Valentim, ofereceu um humor nonsense da melhor qualidade, enquanto o folhetim tradicional era bem representado pelo triângulo envolvendo Marcela, Edgar e Renato.

Jacques LeClair e Victor Valentim, assim, foram mostrados bem carregados nas tintas, sobretudo o primeiro. Alexandre Borges adotou um tom afetado caricatural, que divertiu muito. Cheio de trejeitos, tornou-se uma atração à parte. Já Murilo Benício apostou num tom carregado de ironia, fazendo de Ari um malandro adorável. A trama também trouxe uma nova Jaqueline, aqui Jaqueline Maldonado, uma figura inusitada e que caiu como uma luva para Claudia Raia, num momento absolutamente genial. À Jaqueline cabiam as melhores frases da novela, já que a figura sempre tinha uma história inusitada sobre a sua vida para contar.

Jaqueline teve uma banda de rock, a Boletim de Ocorrência, que tocava hits como “Papai me Empresta o Sutiã” e “Sergio Chapelin Apaixonado”. “Quando eu tinha minha banda de rock, toda semana ia pro xilindró! A última vez foi em Blumenau. Um fã pediu pra eu cantar uma música do Roupa Nova e eu ateei fogo no cabelo dele. Tem gente que não tem o menor senso de humor!”, revelou. Jaqueline também já contou detalhes inusitados de um certo carnaval. “Depois da quinta tequila, não consigo pensar em mais nada! Mas diz a lenda que eu rolei Pelourinho abaixo, gritando para todo mundo me morder porque eu era um acarajé! No dia seguinte, eu parecia uma peneira de um e oitenta de altura. Que grande carnaval aquele!”, exclamou. Jaqueline assistiu a muitas novelas, já que disparou sentenças como: “faça como Laurinha Figueiroa: se joga!”. A estilista também chegou a se internar num convento, onde virou a “Irmã Desgosto”.

Em entrevistas, Maria Adelaide Amaral afirmou que o sucesso dos diálogos nonsense de Jaqueline era creditado a Vincent Villari, na época colaborador do texto. A autora afirmou que toda a construção de Jaqueline havia saído da cabeça dele. Depois de Ti Ti Ti, Villari seria promovido a autor principal, assinando junto com Maria Adelaide as novelas Sangue Bom e A Lei do Amor.

Com Ti Ti Ti, além de mesclar duas novelas de Cassiano Gabus Mendes, a autora também fez várias homenagens ao novelista durante a obra, resgatando diversos personagens de outras novelas dele. Assim, passaram pela trama nomes como Mário Fofoca (Luiz Gustavo), de Elas por Elas; Kiki Blanche (Eva Todor), de Locomotivas; a divina Magda (Vera Zimmermann), de Meu Bem, Meu Mau; e Rafaela Alvaray (Marília Pera), de Brega & Chique; entre outros.

Com 209 capítulos, Ti Ti Ti foi escrita com a colaboração do já citado Vincent Villari, além de Álvaro Ramos, Letícia Mey, Rodrigo Amaral e Marta Nehring, e com direção de Marcelo Zambelli, Maria de Médicis e Ary Coslov, e direção-geral e de núcleo de Jorge Fernando. A trama recuperou a audiência do horário das sete, que vinha em baixa depois do fracasso de Tempos Modernos, e entregando em alta para Morde & Assopra, de Walcyr Carrasco, que manteve o bom momento do horário.

Leia também:

Há 28 anos, estreava Kananga do Japão

Relembre divertidos momentos de Jaqueline Maldonado em Ti Ti Ti:

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio