Há 15 anos, SBT extinguia o jornal TJ Manhã

Publicado há 3 anos
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No dia 14 de fevereiro de 2003, o SBT exibia a última edição do TJ Manhã, telejornal matinal exibido em rede e apresentado pela jornalista Patrícia Pioltini desde o dia 4 de junho de 2001, às 6h30. O fim do noticioso marcou um novo início de trevas no jornalismo do SBT, que só voltaria a ganhar investimentos dois anos depois.

TJ Manhã simbolizou uma fase de resistência do departamento de jornalismo da emissora de Silvio Santos. Depois da extinção do TJ Brasil, em 1997, e do fim da parceria com a CBS, que produzia o Jornal do SBT – CBS, em 1998, o jornalismo do SBT foi reduzido a quase zero. Depois de um tempo apenas produzindo boletins de notícias, o Notícias da Última Hora, a emissora voltou a investir em jornalismo com o lançamento do “novo” Jornal do SBT, em 1999, no início da madrugada. TJ Manhã, então, estreou como uma oportunidade de consolidação do jornalismo no canal.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O jornal de Patrícia Pioltini tinha formato semelhante ao Jornal do SBT, de Hermano Henning, mas trazia uma edição diferenciada de matérias. A proposta do jornal era antecipar os acontecimentos do dia e focar na prestação de serviços. Exibido às 6h30, em rede nacional e ao vivo, o TJ Manhã se tornou o primeiro jornal do dia a ser exibido nacionalmente, já que os matinais das demais emissoras costumavam começar a partir das 7h.

Na época, Walter Santos era o diretor de jornalismo do SBT. Em entrevista ao Estadão, ele comemorou a oportunidade de abrir um novo horário para notícias na emissora. “Estaremos experimentando o horário, o jornal terá 20 minutos, mas com o tempo pode crescer (…). Teremos estrutura para fazer tudo ao vivo”, disse ele. Naquela época, o departamento de jornalismo do SBT era responsável pelo Jornal do SBT, o SBT Notícias (que exibia, ao longo da madrugada, reprises do Jornal do SBT acrescidas de novas informações e quadros de entrevistas) e SBT Repórter, além de servir como suporte ao Domingo Legal, de Gugu Liberato.

A estreia do TJ Manhã seria apenas o início de uma reestruturação do setor na emissora, que, sem chances no horário nobre por determinação de Silvio Santos, tentava criar horários e formatos alternativos para noticiosos. Entre os projetos, que não aconteceram, estava também a criação de um jornal local e da volta dos boletins de notícias de hora em hora.

Patrícia Pioltini foi a escolhida para ancorar o TJ Manhã após alguns anos atuando em diversas frentes no jornalismo do SBT. Antes do telejornal, Patrícia fazia reportagens para o Jornal do SBT, além de ter sido substituta de Hermano Henning em suas folgas e férias, e também ancorava o SBT Notícias aos finais de semana (o bloco era exibido de domingo a domingo). A apresentadora costumava abrir o jornal com frases como “Olá Brasil, bom dia! São 6 horas e 25 minutos. Hora do TJ Manhã”, ou “Eu sou Patrícia Pioltini e este é o TJ Manhã”.

A estrutura montada para fazer o TJ Manhã ser exibido ao vivo permitiu ao SBT participar de alguns momentos históricos acontecidos em 2001. Patrícia Pioltini entrou em plantões ao vivo para noticiar o sequestro de Silvio Santos, que foi feito refém em sua própria casa pelo sequestrador de sua filha Patrícia Abravanel, e também o ataque ao World Trade Center, em 11 de setembro de 2001. Neste último caso, como o SBT não tinha correspondente nos EUA, Patrícia entrou no ar com informações de agências internacionais. Ao contrário das demais emissoras, que cancelaram suas programações para mostrar o ataque ao vivo, o SBT apenas interrompia a exibição do infantil Bom Dia e Cia para trazer boletins informativos.

Durante o tempo em que ficou no ar, o TJ Manhã registrava audiência satisfatória, chegando à liderança de audiência por diversas vezes. Mesmo assim, não escapou da crise que se abateu sobre o SBT no ano de 2003, que fez a emissora promover diversos cortes. O TJ Manhã acabou entrando na primeira lista de reduções de custos da emissora, junto com o SBT Repórter, SBT Notícias e o musical Disco de Ouro, apresentado por Gugu Liberato (na verdade, uma versão do Sabadão exibida nas tardes de domingo). Mais adiante, o canal confirmou também o fim do Curtindo Uma Viagem, Disney Cruj e De Frente com Gabi (que, na época, era exibido diariamente).

O próprio departamento de jornalismo do SBT sofreu um corte drástico neste período. O Jornal do SBT sobreviveu, mas passou a operar com apenas dois repórteres em São Paulo, matérias enlatadas e “frases do dia” tiradas de sites da internet. A situação só mudou em 2005, com as contratações de Luiz Gonzaga Mineiro e Ana Paula Padrão, e o lançamento do SBT Brasil.

Leia também:

Hora da Verdade, telebarraco de Márcia Goldschmidt, terminava há 14 anos

 

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio