Há 10 anos, CQC estreava no Brasil

Publicado há 3 anos
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Há 10 anos, a Band lançava um dos mais importantes programas de sua história recente. A emissora apresentava a versão nacional do CQC – Caiga Quien Caiga, mistura de programa jornalístico e humorístico criado na televisão argentina no ano de 1995 por Mario Pergolini e Diego Guebel. No Brasil, o programa foi rebatizado como Custe o que Custar, mantendo a sigla CQC, e estreou no dia 17 de março de 2008.

CQC estreou em meio a uma série de lançamentos que a Band fazia naquele ano de 2008, que reformulou sua linha de shows. Exibida nas noites de segunda-feira, a atração era apresentada ao vivo, de uma bancada formada por Marcelo Tas, Rafinha Bastos e Marco Luque. Diante de uma plateia, o trio, comandado por Tas, chamava matérias e comentava as informações apresentadas, sempre com muita ironia e humor. Pela proposta jornalística bem-humorada, a atração usava o slogan “seu resumo semanal de notícias”.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O espírito do programa era tratar dos assuntos da semana de maneira diferente do jornalismo convencional. Por isso, seus repórteres, todos de terno preto e óculos escuros, assumiam não apenas a posição de repórter, mas também de humoristas, fazendo perguntas inusitadas para seus entrevistados. Normalmente, cada repórter atendia por uma editoria, e era comum Rafael Cortez entrevistar celebridades em festas, enquanto Felipe Andreoli cobria os assuntos esportivos. Enquanto isso, Oscar Filho fazia matérias gerais e Danilo Gentili se dividia entre a cobertura política e seu primeiro quadro no programa, o divertido Repórter Inexperiente. Já Rafinha Bastos saía da bancada para trazer denúncias no Proteste Já. O programa realizava ainda quadros de entretenimento, como o CQTeste, com Rafael Cortez, e o impagável Top Five, que trazia cinco cenas inusitadas da televisão brasileira exibidas naquela semana.

Leia também: Relembre Cortina de Vidro, a primeira novela de Walcyr Carrasco

Tudo no CQC era tratado com humor, até assuntos mais sérios. Suas reportagens se caracterizavam não apenas pela postura mais “solta” de seus repórteres, mas também pela edição ágil e pelos efeitos sonoros e visuais inseridos ao longo da matéria. Por conta da irreverência, CQC assumiu um tom crítico que agradou em cheio o espectador, mas que irritou muita gente, sobretudo a classe política. Os repórteres do programa chegaram a ser proibidos de entrar no Congresso Federal, numa resolução que teve ampla repercussão.

Por conta disso, CQC caiu nas graças do público e da crítica. A atração se tornou uma das maiores audiências da Band, além de ter colecionado prêmios de melhor programa. Muitos compararam o CQC ao Pânico, por conta do humor de seus repórteres, mas a proposta do CQC sempre teve um pé mais fincado no jornalismo, enquanto o Pânico já era mais entretenimento puro.

Com o sucesso, o programa foi mudando ao longo dos anos. Em seu segundo ano, o CQC promoveu uma espécie de reality show para escolher um novo repórter. A escolhida foi Monica Iozzi, que se tornou a primeira mulher do programa e fez muito sucesso em suas matérias sobre política. Já outros integrantes começaram a ensaiar seus voos solo, como Marco Luque, que apresentou O Formigueiro, ou Danilo Gentili, que se lançou no talk show Agora É Tarde. Felipe Andreoli também acumulou sua função de repórter do CQC com o programa esportivo Deu Olé, nas tardes de sábado, e Rafinha Bastos passou a dar expediente também em A Liga. Já Rafael Cortez deixou o programa de mudança para a Record, voltando anos depois. Aos poucos, outros repórteres foram sendo incorporados, como Maurício Meirelles, Ronald Rios, Guga Noblat, Naty Graciano e Lucas Salles.

A bancada também mudou. Rafinha Bastos acabou afastado da atração ao fazer uma piada envolvendo Wanessa Camargo. Inicialmente, foi substituído por um rodízio de repórteres; depois, Oscar Filho assumiu o posto. Apesar de a piada de Rafinha ter pegado mal, pegou mal também a maneira como ele foi afastado da atração, expondo que a tão apregoada liberdade editorial do CQC não era assim tão livre.

Leia também: Conheça os trabalhos anteriores de Daniel Adjafre, autor de Deus Salve o Rei

Oriunda da extinta MTV Brasil, onde fazia sucesso com o Furo MTV, Dani Calabresa passou a fazer parte do time do CQC em 2013. Na época, ela foi lançada como a comandante de um quadro específico, que fazia um resumo engraçado da semana. Mas o novo quadro não vingou, e Dani passou a fazer outras matérias, e se destacou mesmo no comando do quadro da Máquina da Verdade. No ano seguinte, foi convidada para assumir a bancada na vaga de Oscar Filho. Ficou ali até o final de 2014, quando migrou para a Globo.

Nesta fase, CQC já havia perdido muito de sua essência, ficando menos crítico e debochado. Isso influiu em sua audiência, que entrou em queda livre. Numa tentativa de estancar a perda de público, a Band promoveu uma reforma geral no programa. Assim, a temporada de 2015 ganhou uma nova bancada, formada por Dan Stulbach, Rafael Cortez e Marco Luque. Nas reportagens, Mauricio Meirelles, Lucas Salles, Juliano Dip e Erick Krominski. Mas o programa não se reergueu. Assim, no final daquele mesmo ano, a Band anunciou que o CQC entraria num “ano sabático”, e retornaria apenas em 2017. Mas o tal retorno jamais aconteceu.

O CQC não foi um programa importante para a Band apenas pela boa audiência, repercussão, faturamento e prêmios. Foi a partir da atração que o canal estreitou relações com a Eyeworks Cuatro Cabezas (que, depois, se tornaria apenas Eyeworks), de Diego Guebel, dona do formato do CQC, que passou a fornecer outros formatos para a Band, além de entrar como produtora de outros programas. Com a parceria, a Band exibiu outras atrações bem-sucedidas, como A Liga, E-24 e Polícia 24 Horas, além de ter concebido junto o Agora É Tarde. Mais adiante, Diego Guebel se tornou diretor artístico da emissora, cargo que ocupou até o ano passado.

Leia também: Andando nas Nuvens estreava há 19 anos

Reveja o quadro Top Five, um dos quadros mais famosos do CQC:

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio