Globo domina cobertura da imprensa sobre coronavírus

Canais de TV estão na dianteira da crise, segundo dados do Instituto QualiBest

Publicado há 9 meses
Por Renan Vieira
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em meio à crise do novo coronavírus, a Globo desponta como o veículo da imprensa mais confiável para acompanhar a pandemia, segundo uma pesquisa do instituto QualiBest. Os números mostram que 19% da população cita o canal como um dos mais confiáveis para se informar sobre a covid-19 neste momento. Além dele, há ainda 5% de citações para a GloboNews, disponível apenas no serviço por assinatura, e 8% para o portal G1.

Entre os canais de televisão, a Record vem logo atrás da Globo, apontada por 10% dos brasileiros, seguida pela Band e pelo SBT, com 3% cada. Grande surpresa da pesquisa, a CNN Brasil – canal americano que chegou ao Brasil há um mês – foi indicada por 7% da população.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Os números mostram, sobretudo, que a televisão ainda é o principal meio de comunicação em massa do país – e também é o que tem mais confiança das pessoas. Não à toa, os canais estão reestruturando suas grades e horários para dar conta dessa demanda por informações sobre a pandemia”, disse a diretora geral do QualiBest, Daniela Malouf.

A pesquisa ainda revela outro fator surpreendente: 14% da população cita ao menos um órgão oficial entre os meios confiáveis de informações sobre a covid-19. Entre eles, os mais lembrados foram sites e redes sociais do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Esse dado é interessante porque reforça um discurso que tem sido constante na televisão: o de que as pessoas precisam se informar com base em informações oficiais. É uma tentativa de diminuir a circulação de fake news que parece estar dando resultado”, apontou Daniela Malouf.

Outro número surpreendente é a quantidade de pessoas que passaram a se informar pelo canal do biólogo Átila Iamarino, da USP. Segundo a pesquisa, 2% da população passou a assistir os vídeos que o especialista tem publicado no Youtube desde o início da crise.

Veículos como El País, Nexo, Valor Econômico e jornais internacionais como New York Times (EUA) e The Guardian (Inglaterra) também foram citados, mas não chegaram a 1%.

Confira o ranking

  1. Globo (19%)
  2. Órgãos governamentais – Ministério da Saúde, OMS
  3. Record (10%)
  4. Internet (Google News, BING] (7%)
  5. CNN (7%)
  6. G1 (8%)
  7. GloboNews (5%)
  8. Redes sociais – Canais do Youtube, Facebook
  9. UOL (4%)
  10. Band (3%)
  11. SBT (3%)
  12. Folha de S. Paulo (3%)
  13. Estadão (3%)
  14. Canal de Átila Iamarino (2%)
  15. Veja (1%)
  16. BandNews (1%)
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio