Finalistas de Mestre do Sabor falam sobre a expectativa para a grande final

Reality terá final ao vivo com integrantes de três regiões diferentes do país

Publicado há 2 meses
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Mesmo com a pandemia do novo coronavírus, a Globo promete uma final ao vivo da segunda temporada de Mestre do Sabor nesta quinta (23). A emissora se cercará de cuidados para garantir a segurança de Claude Troisgros e dos finalistas, incluindo aí algumas mudanças no cenário e nas provas.

Ana Zambelli, Dário Costa, Júnior Marinho e Serginho Jucá são os quatro finalistas da competição. Para LP Simonetti, diretor artístico do programa, a emoção foi o que guiou a temporada.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“A começar pelas histórias de vida que cada candidato trouxe pro público na fase Prato de Entrada, passando pelas disputas sempre muito acirradas e pelas eliminações de candidatos que já haviam conquistado a todos, posso dizer que é uma temporada onde a emoção esteve presente em todas as provas. O excelente trabalho da nossa equipe junto à qualidade da cozinha dos chefs finalistas só nos leva a comemorar. Eu desejo sorte aos quatro para a nossa final”, comenta o diretor.

Para o santista Dário Costa, a final será, acima de tudo, acirrada. “Eu tenho certeza que independente de eu ter mandado bem durante o programa, teve muita gente que não teve a oportunidade de mostrar seu trabalho individual. É possível observar que depois que as provas em grupo acabaram, muitos chefs se destacaram. O Serginho, o Juninho e a Ana mandaram muito bem nas provas individuais, por exemplo. Então, o que vem pela frente é incerto, será uma surpresa para todo mundo. O que eu tenho certeza é que será uma disputa acirrada e digna para quem está ali. Vai ser lindo”, comenta o chef.

Ana Zambelli, única mulher a chegar na final, acredita que precisará trabalhar a mente para a prova. “Eu espero que a minha mente não me boicote, pois os três finalistas que estão comigo são pessoas com quem eu tenho amizade, pessoas que gosto demais, e isso me abala um pouco. Principalmente o Serginho. pois nos falamos todos os dias. Penso que será uma degustação entre amigos e um deles vai ganhar um prêmio”, diz a chef carioca.

Sobre o programa ser ao vivo, Ana é certeira. “É tudo ou nada. Vejo como uma decisão nos pênaltis, quem conseguir lidar melhor com o tempo e com a emoção tem mais chances de levar”, finaliza.

Já o goiano Júnior Marinho diz estar confiante para a final. “Dediquei meu tempo nestes últimos meses para estudar e focar em pratos que eu possa usar vários tipos de proteínas. Aprimorei algumas técnicas minhas, foquei em estudar sobremesas, que são meu ponto fraco. Vou chegar confiante para fazer qualquer tema proposto”, comenta o rapaz.

“O programa ao vivo mexe um pouco mais com meu coração. Mesmo quando é gravado, tudo é feito naquele determinado tempo, não temos para onde correr. Mas o que muda é que o público verá mais nossas caras e a correria. Acho que vai ser mais legal. Fico triste porque não vou poder abraçar as pessoas, vou sentir falta desse momento. Mas entendo que é por um bem maior”.

Serginho Jucá, de São Miguel dos Milagres, em Alagoas, está animado com a aproximação da prova. “Minha expectativa está lá em cima. Só tem fera! Eu espero que todos no dia estejam tranquilos e felizes, para que a gente possa fazer uma super final”, diz.

“Eu tenho mania de olhar as coisas pelo lado bom, então encaro a final como uma oportunidade de recebermos de uma só vez a energia boa que estamos recebendo há meses. Além disso, estamos mais confiantes. Agora, ao vivo, queimou a panela, queimou a panela”, brinca o chef.

Serginho concorda com Júnior na falta que sentirá das demonstrações de afeto. “Todo mundo já ganhou, estar na final é legal para caramba. O mais complicado vai ser não poder se abraçar. A gente criou uma amizade e não poder transmitir esse carinho será a prova mais difícil”, finaliza.

Cuidados

Para a grande final, Claude Troisgros, Batista, Monique Alfradique, Kátia Barbosa, Leo Paixão, Rafa Costa e Silva, os finalistas e a reduzida equipe seguirão um rigoroso protocolo de segurança. Todos serão testados e terão a temperatura checada ao entrar nos Estúdios.

O uso de máscaras será obrigatório e os camarins individuais, com acesso e trânsito proibido entre eles. Dentro do estúdio, estarão apenas os apresentadores, os mestres e os quatro finalistas, além de uma pequena equipe devidamente protegida. Câmeras robôs, já existentes na gravação do reality, estarão presentes em maior número.

No cenário, as ilhas utilizadas pelos candidatos estarão ainda mais afastadas, respeitando o distanciamento seguro. Utensílios não poderão ser compartilhados durante a competição e uma barreira de acrílico irá separar os mestres Kátia, Leo e Rafa na bancada onde julgarão os pratos. Desta vez, cada um dos mestres receberá uma porção individual para degustar e escolher o melhor sabor do dia.

O Mestre do Sabor promete redobrar o cuidado com a higienização dos alimentos, cenário e utensílios. Entre as medidas adotadas estão ainda a suspensão de plateia e da presença de familiares e convidados.

Mestre do Sabor é um formato original Globo, com direção artística de LP Simonetti e direção geral de Aida Silva. A segunda temporada do reality gastronômico é exibida semanalmente, às quintas-feiras, após Fina Estampa. O programa também é exibido no GNT, sempre às sextas-feiras, às 22h.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais