Compre iPhone SE na Apple a partir de R$ 3.779,10 à vista ou em até 12 vezes. Frete grátis para todo o Brasil
Saiba mais
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Neste domingo

Fantástico mostra drama de brasileiros que têm filhos gerados por barriga de aluguel na Ucrânia

Maju Coutinho e Poliana Abritta apresentam o programa

Publicado em 05/03/2022
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

No Fantástico deste domingo(6), a repórter Renata Ceribelli relata o drama de brasileiros que às vésperas do nascimento dos bebês viram a guerra transformar a alegria em temeridade e agora tentam descobrir o que vai acontecer com essas vidas que mesmo antes de sair da barriga já têm um futuro incerto.

O sonho de gerar uma vida move casais do mundo inteiro para a Ucrânia há anos. Prática que é proibida em diversas pátrias, a barriga de aluguel é um negócio no país europeu que está sendo atacado pelo Rússia há mais de uma semana.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

O processo de barriga de aluguel na Ucrânia é legalizado e regulamentado, com preços bem mais baixos do que os cobrados em outras partes do mundo. Existem até agências que fazem o pacote completo – é preciso que o casal viaje para Kiev para que seja feita a coleta de material que dará origem aos embriões.

O acompanhamento da gestação é feito à distância, só sendo necessário retornar ao país após o nascimento da criança. Com o início da guerra, o cenário virou. Cidadãos de diferentes países têm filhos nascendo na Ucrânia e não conseguem resgatá-los.

As mães de substituição, em geral, são pobres e vivem espalhadas por toda a Ucrânia, só se dirigindo para a capital às vésperas do parto. Mas com o ataque dos russos, as clínicas não têm conseguido fazer este acompanhamento. Os casais, na maioria das vezes, nem sabem o nome das gestantes. Com boa parte da população tentando escapar do país não há mais como saber se os bebês estão protegidos.

Dramas como o do casal Kelly e Fabio. Os dois estavam na Ucrânia desde 7 de janeiro e agora, com a filha Mikaela nos braços, tentam voltar em segurança para casa, como o Fantástico mostrou no último domingo (27).

Nesta semana, eles deixaram o abrigo custeado pela agência e pegaram um trem para Liviv, na tentativa de sair do país, com destino à Polônia. A fome passou a ser mais uma barreira. Os três precisaram passar a noite em uma estação, sem comida.

Outro casal, de Blumenau, em Santa Catarina, vive uma situação ainda mais delicada. Com o bebê na 39ª semana de gestação, Alessandra e Anderson tinham passagem comprada para Kiev esta semana. Precisaram ficar em Frankfurt, na Alemanha, pois o trecho entre as cidades foi cancelado por conta da guerra.

Além destes casos, há outros semelhantes espalhados pelo Brasil. Casais que há anos planejavam e sonhavam em aumentar a família e agora sofrem com a falta de informações sobre esses bebês tão idealizados.

Nesta sexta-feira (4), a Ucrânia anunciou que a Rússia assumiu o controle de Zaporizhzhia, a maior usina nuclear do país, localizada na cidade de Energodar. O repórter Álvaro Pereira Junior faz um balanço do poderio que os russos tem nas mãos a partir de agora – já haviam assumido o controle também de Chernobyl, logo nos primeiros dias de invasão à Ucrânia.

A chance de uma guerra nuclear é real? Até onde pode chegar essa radiação na Europa e quais as consequências que o mundo pode sofrer? Em um momento nebuloso em relação ao que pode acontecer nos próximos dias, a Ucrânia é o epicentro das maiores dúvidas que pairam sobre o planeta atualmente.

Apresentado por Maria Júlia Coutinho e Poliana Abritta na tela da Globo, o Fantástico deste domingo começa logo do Domingão com Huck.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....