Fabrício Boliveira, o Roberval de Segundo Sol, diz que maldade do personagem não é justificável

Publicado há 2 anos
Por Renan Vieira
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O ator Fabrício Boliveira concedeu entrevista ao Observatório da Televisão e falou sobre o seu personagem em Segundo Sol, o Roberval. O empresário voltou depois de 18 anos, jurando vingança a todos que lhe fizeram mal. Rico, até o momento, ele tem demonstrado ser implacável com quem cruza o seu caminho. Isso inclui, claro, os Athayde.

Durante a conversa, Boliveira foi perguntado se a maldade do personagem é justificável. Ele respondeu que não e explicou que não é possível justificar, mas dá para compreender as razões do personagem. Justificável não é porque nenhuma violência hoje, principalmente a do casamento, é justificável. E essa, para mim, é a grande maldade até agora do Roberval dentro da história. Não é justificável, mas a gente entende.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Veja também: Fabrício Boliveira avalia Roberval e diz que personagem é traumatizado, em Segundo Sol

O ator chamou a atenção para a história do personagem, que não teve família e sempre se sentiu renegado. “De algum jeito, você olha para trás e entende que é possível, e que não pode definir esse cara só como o destruidor. Até porque tem um lugar dentro dele que é de um cara que precisa de escuta, que não teve família e que foi renegado três vezes”.

Discussão sobre rótulos

Boliveira finalizou o tema mencionando rótulos. “Eu acho que lida muito com o nosso presente, de como vamos olhar para o outro a partir de uma ação que você fez. Tudo que você fez antes é legado? Você é só isso? Você entra em um rótulo? Eu acho que estamos discutindo rótulos”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio