Ex-MasterChef fala sobre representatividade na gastronomia: “Sonho francês, dominado por branco”

Publicado há 2 anos
Por Greicehelen Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na temporada 2019 do MasterChef Brasil, Carolinne Oliveira chamou a atenção dos telespectadores por seus pratos exóticos com insetos. Após rápida passagem no talent show da Band, a moça resolveu falar sobre representatividade na gastronomia e na TV brasileira.

Ser chefe de cozinha é um sonho francês, dominado por branco”, analisou Carolinne, que também já trabalhou como atriz na Globo. Segundo ela, sua participação no MasterChef foi com a intenção de aguçar seus dotes culinários.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carolinne ainda comentou sobre a forma como o público e as
produções brasileiras lidam com artistas e competidores de reality shows
negros. “Percebo que muitos não dão destaque
para as pessoas negras nesses programas, como se não valêssemos algo. É difícil
sermos protagonistas nesses realitys. Quantos já foram? Agora não me lembro de
nenhum
”, indagou.

Além disso, a jovem cozinheira também contou que cresceu vendo
poucas referências negras na mídia nacional durante os anos 90. “Isso fez com que, por muitos anos, eu não
aceitasse a mim mesma, principalmente o meu cabelo, porque a sociedade em
geral, tem o costume de julgar o que é feio ou bonito, baseando-se pelo o que a
mídia mostra
”, destacou.

Quando você não se vê representado
na TV, em revistas, em novelas, na sua boneca preferida, nos sentimos excluídos
”,
finalizou Carolinne Oliveira, garantindo que, além dos pratos inusitados, seus
cabelos encaracolados também fizeram sucesso entre os fãs do MasterChef Brasil.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio