Ex-aluno de Aguinaldo Silva fala sobre acusação de plágio sofrida pelo autor

Publicado há 3 anos
Por Guilherme Rodrigues
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Victor Darmo, ex-aluno de Aguinaldo Silva que participou de uma Master Class ministrada pelo novelista, falou sobre a acusação de plágio que o famoso sofre de um também ex-aluno por causa de O Sétimo Guardião, trama que foi desenvolvida durante o curso e que irá estrear ano que vem na Rede Globo.

“O Sétimo Guardião foi intensamente trabalhada durante os dez dias pelos alunos da Master. Mas havia uma direção permanente. Nossas ideias eram apresentadas, trançadas de um aluno com o outro, lapidadas ou modificadas pelo Aguinaldo, que dava a cara final. E ao fim do curso tínhamos ‘uma’ sinopse. A que vai ao ar e suas adaptações não conhecemos. Por exemplo, na Master foi criado um núcleo com descendentes indígenas, que soube não constar na sinopse final. A volta da Nazaré, que quebrou a internet, jamais foi cogitada na Master”, contou o profissional ao site RD1.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Globo marca data da estreia de O Sétimo Guardião

Victor afirmou que o ex-colega que resolveu processar o novelista teve a mesma participação que todos os outros no desenvolvimento da trama. “Fora os exercícios coletivos de brainstorm, cada um de nós escreveu duas cenas. Eu disse duas! Um capítulo de novela chega a ter mais de 30 cenas. Multiplique isso por 8 meses. Como alguém em sã consciência pode proclamar coautoria com esta participação?”, indagou.

Questionado sobre qual seria a intenção do processante, Darmo alegou não saber. “Mas acredito que o sonho de todos os que estavam ali era ter a oportunidade de trabalhar ao lado do Aguinaldo um dia. Sonhos movem as pessoas e dão sentido à vida. O intuito final da maioria é a entrada no mercado ou promoção para novos voos. O problema é se valer de polêmica para tentar forçar uma situação”, concluiu.

Vale lembrar que os alunos assinaram um contrato que autorizava Aguinaldo usar a sinopse desenvolvida da maneira como quisesse.

 

 

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais