“Eu deveria ter sido mais atento”, assume autor de Segundo Sol sobre poucos negros no elenco

Publicado há 2 anos
Por Clara Ribeiro
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Segundo Sol já está na reta final, mas a repercussão sobre a falta de atores negros em seu elenco ainda permanece em alta.

Em entrevista à revista Veja, João Emanuel Carneiro, autor da trama das nove na Globo, foi questionado a respeito desse tema. Ele assumiu sua responsabilidade por não ter se atentado a uma questão tão importante.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Reconheço que foi uma falha. Eu deveria ter sido mais atento à questão da representatividade racial, ainda mais se tratando de uma novela que se passa em Salvador, uma cidade de maioria negra tão evidente”, declarou.

Leia mais: Cenas antigas de Segundo Sol dão a entender que Laureta e Remy já foram para a cama

Em seguida, contudo, o escritor justificou o esquecimento.

“Agora, escrever novela é um trabalho feito de cambulhada. É na urgência do momento. Então você comete erros. Simples assim. Ainda mais nesse caso, em que minha entrada no ar foi antecipada em vários meses e o elenco teve de ser escalado às pressas”.

Leia mais: Globo prepara projetos com elenco predominantemente negro para 2019

Para autor, novela é “serviço público”

Ainda na entrevista à Veja, João Emanuel Carneiro ressaltou o poder que a novela ainda exerce na vida das pessoas.

“Novela é como se fosse um serviço público. As pessoas nos cobram como se reclamassem de ter acabado a água encanada em casa. Acho engraçado quando o povo diz: ‘Mas que porcaria, a Luzia (Giovanna Antonelli) foi enganada de novo’. Como se a pessoa não tivesse outra opção na vida a não ser ver novela.”

Leia mais: Giovanna Antonelli comenta ingenuidade de Luzia em Segundo Sol: “O autor escolhe por qual caminho ele quer levar os personagens”

O autor disse que, ao escrever um folhetim, é assumida uma grande responsabilidade.

“Ela poderia fazer qualquer outra coisa: cozinhar, dar um passeio, navegar na internet. Quem escreve novela, ainda mais a do horário das 9, tem de ter a humildade de reconhecer que a está fazendo para os outros. Você entra nas casas, hospitais, até em presídios. É impressionante. Se penso muito nisso, fico paralisado. É um peso enorme”.

Segundo ele, o reconhecimento nas ruas é tanto, que parece que as pessoas estão escrevendo a trama também.

“Outro dia, uma caixa de supermercado me falou: ‘Ah, por que Segundo Sol já vai terminar em novembro? Podia ir até janeiro’. Dá vontade de matar a pessoa que diz isso. Tenho de terminar essa novela em algum momento. O noveleiro luta para pôr sua novela no ar, e depois para sair do ar. Você quer que aquilo acabe um dia. Eles falam assim porque sentem como se a novela fosse deles”.

O último capítulo de Segundo Sol será exibido dia 9 de novembro. No dia seguinte já estreia a nova novela das nove, O Sétimo Guardião, escrita por Aguinaldo Silva.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio