Estilo | “Gosto do que faço”, afirma Paola Carosella, jurada do MasterChef

Publicado há 4 anos
Por Leandro Lel Lima
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Com o propósito de inspirar e celebrar as mulheres que buscam alinhar corpo e mente trabalhando construtivamente com sua “autocrítica”, a Activia contratou uma das personalidades mais admiradas da TV, a jurada do MasterChef Paola Carosella.

“Gosto do que faço. Encontrei minha vocação cozinhando e me sinto satisfeita em estar em um momento em que confio em minhas escolhas”, disse Paola, que segue como uma das juradas mais temidas do reality da Band.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Sobre conciliar ser mãe, empresária e ainda lidar com autocritica, Paola revelou que passou a trocar a autocrítica pela autoestima para viver melhor. “Aprendi a abraçar aquilo que sou, a me perdoar e a bater palmas pra mim”, disse.

Paola é uma das embaixadoras da nova campanha de Activia no Brasil, ao lado da empresária Zica Assis, fundadora do Instituto Beleza Natural, e da bailarina Ingrid Silva.

Para entender mais sobre os impactos da autocrítica feminina, a Activia, em conjunto com o Google e o GlobalWebIndex, realizou um estudo em 15 países – incluindo o Brasil – com mais de 15 mil mulheres. Os resultados são impressionantes:

OS CONFLITOS

A autocrítica feminina nem sempre está em sintonia com o potencial individual da mulher. As críticas internas com frequência ultrapassam certos limites e criam barreiras que afetam tanto a vida profissional quanto pessoal.

Novidades:
58% das mulheres acreditam que a “crítica interior” a desmotiva a tentar algo novo, como se elas não tivessem habilidades.

Atividades:
56% acham que essa autocrítica negativa faz com que elas se sintam incapazes de explorar novos hobbies e interesses.

Pressão:
67% das mulheres concordam que colocam muita pressão em si mesmas para sempre alcançar o seu maior potencial.

AS POSSIBILIDADES

Quando a autocrítica é bem trabalhada, ela pode se transformar em uma ferramenta poderosa para que as mulheres entrem em sintonia com a sua própria essência. De forma natural, o peso da crítica pode abrir lugar para a leveza do equilíbrio e da segurança pessoal, resultando em mais êxitos e menos hesitações.

Trabalho:
84% acreditariam mais na própria inteligência e, por consequência, aproveitariam mais seu potencial profissional.

84% teriam mais confiança nas suas habilidades e ficariam mais seguras com seu desempenho.

82% ficariam mais confortáveis no trabalho pois estariam satisfeitas com as suas próprias decisões.

Lazer e Bem Estar:
83% demonstrariam mais confiança nas suas habilidades e ficariam mais motivadas a explorar um novo hobby.

87% estariam bem consigo mesmas e, por conta disso, ficariam mais seguras para manter os seus planos.

79% sentiriam mais vontade de se exercitar e cuidar de si mesmas, pois seu autorespeito faria com que elas prestassem mais atenção no seu bem estar.

Por Leandro Lel Lima: Paulistano, libriano, formado em jornalismo pela Estácio de Sá. Escreve sobre TV, cinema, teatro e comportamento. Já passou por sites especialiados em TV e foi comentarista de cultura da Rede Família de TV (Grupo Record).
facebook.com/leandrolellima
twitter.com/Leandro_LelLima

lellimacomunicacao@gmail.com
lellima@observatoriodatelevisao.com.br

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio