Especial Falas da Terra trata da conscientização através da Educação

Educadores e escritores de origem indígena levantam reflexões

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nesta segunda-feira (19), a Globo exibe Falas da Terra, especial que pretende lançar luz à pluralidade e à luta dos indígenas pelo direito de existirem e serem ouvidos, fazendo um resgate histórico de valorização de suas culturas.

As histórias, apresentadas em depoimentos em primeira pessoa, a fim de mostrar as várias maneiras de ser indígena, traduzem a riqueza cultural dos mais de 300 povos existentes no Brasil, que falam aproximadamente 200 línguas diferentes.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Essa luta dos indígenas, de resistência e existência, passa por diversas temáticas. Entre elas, a Educação. Daniel Munduruku, escritor e vencedor do prêmio Jabuti e do Prêmio de Literatura pela Unesco, há anos luta pela divulgação da cultura indígena e acredita que ela deva acontecer principalmente por meio da Educação. Daniel defende que o Dia do Índio seja um dia de consciência indígena e não uma data de celebração, como acontece nos dias atuais.

“Se no material didático das escolas aparecem informações equivocadas, acabam virando verdade. A instituição não muda com facilidade, por isso é importante que a mudança comece por aqueles que movimentam a estrutura, que são os professores. Conscientizar os educadores é fundamental para que a transformação aconteça. Isso é um trabalho de base que precisa ser feito, mas, antes, os educadores precisam descobrir que foram enganados pelo sistema que os educou para serem repetidores de equívocos. Eu acredito que a Educação é pedra fundamental na revolução necessária para que o Brasil passe a ser um país de todos e para todos igualmente”, diz Daniel, que é Mestre e Doutor em Educação.

Sobre o dia 19 de abril como um dia de consciência indígena – e não de celebração –, Daniel explica. “A palavra ‘índio’ é uma ficção que foi introjetada na mente dos brasileiros pelo sistema oficial de ensino. É uma palavra que não diz quem somos, mas o que as pessoas acham que somos. Costumam nos chamar de preguiçosos, selvagens, atrasados, inúteis. Todos estes adjetivos estão dentro da palavra ‘índio’. Ela nega o que somos porque assim aprendemos. Para que novos significados façam parte de nosso repertório, é necessário criarmos consciência do que os povos indígenas são, de verdade. Isso só é possível se abandonarmos o uso desta palavra como identificação e assumirmos que ela é, na verdade, negação. Não celebrar o dia 19 é, portanto, um ato de resistência contra a barbárie que nossos povos vivem”, explica.

Ailton Krenak, líder indígena, ambientalista, filósofo, escritor e poeta, concorda com Daniel. A luta de Krenak pelo respeito ao indígena e pelo direito de ser índio no Brasil é conhecida nacional e internacionalmente. Krenak luta pelo direito do índio interagir com o mundo não-indígena sem perder o vínculo com a própria cultura. No especial Falas da Terra, além de ter dado seu próprio depoimento como convidado, Ailton Krenak atuou como consultor, construindo o especial junto com a diretora artística Antonia Prado.

Sobre o papel da escola como protagonista dessa conscientização, Ailton lembra que isso é previsto inclusive em lei. “Nós temos a lei 11.645 que orienta ações educativas de História e Cultura Indígena em nossas escolas, uma abertura recente que deve ser ocupada por novas abordagens da nossa presença na vida brasileira. O dia 19 de abril foi estabelecido como uma convocatória na década de 1940, no Congresso Indigenista, para denunciar o Genocídio Ameríndio. Não celebrando nada, apenas invocando o dever dos Estados nacionais em convocar a mobilização e respeito aos Direitos dos Povos Indígenas”, lembra o escritor.

Outra educadora que participa do especial é Emerson Uýra. Artista visual, formada em Biologia e mestre em Ecologia, para Emerson, o dia 19 de abril merece uma revisão e atualização. “O ‘Dia do Índio’ sempre foi um terror em toda minha vida escolar, era muito desagradável (e continua sendo) a representação folclorizada que o país faz da gente. Continuam a ensinar que nós indígenas ficamos no Século 16. O mito do nosso desaparecimento é um dos nossos maiores desafios ainda hoje, onde seguimos tão plurais e habitando diversos territórios e espaços de narrativa. Concordo com o parente Daniel Munduruku: ao invés do caricato ‘Dia do Índio’, a data de 19 de abril poderia ser chamada de ‘Dia da Diversidade Indígena’ – diversidade é e sempre foi a essência indígena”, reflete Emerson.

Em sua prática enquanto artista educadora, Emerson busca ativar mutuamente nos jovens a sua autonomia, desde o seu fazer artístico às suas vozes perante o mundo. “Em minha prática com os jovens, que habitam principalmente as margens dos rios do Amazonas, a floresta é utilizada diretamente com seus elementos orgânicos e suas histórias para a produção de todas as artes que produzimos (pintura, ilustrações, figurinos, maquiagens, teatro, dança, música, etc.). Com isto, reativamos a sua autoestima, por saber construir a partir do que habita o seu próprio quintal e imaginário, ambos permeados pela memória das tradições e saberes originários e indígenas. As produções envolvem o tecer de palhas e fibras, o registro e produção de cantos dos bichos, a reprodução das formas e funções das plantas, o registro e propagação das histórias dos mais velhos, e assim por diante. O objetivo é lembrar e garantir a transmissão do que habita de cultura nestes territórios”, conta a artista.

Maial Kayapó é também uma das personagens do especial. Ativista indígena, ela luta pela valorização e preservação dos costumes e da cultura indígena, e enxerga a pintura corporal como uma identidade dos povos indígenas. Além disso, assim como Daniel, Ailton e Emerson, acredita que a mudança na forma como os brasileiros enxergam os indígenas deve começar na escola.

“O mês de abril é o mês da visibilidade indígena. Especificamente o dia 19, significa um ato de resistência dos povos indígenas e precisamos descolonizar o pensamento sobre esses povos. É importante dar visibilidade à nossa cultura, aos nossos direitos, aos nossos saberes ancestrais. Somos protagonistas da nossa história, dos nossos próprios saberes. Precisamos falar que o Dia do Índio não é aquele da escola, que coloca um papel como forma de cocar, precisamos que as escolas e a sociedade não indígena escutem nossa voz, conheçam nossa cultura, nossa diversidade. Precisamos desses espaços e estamos neles para desconstruirmos esse olhar colonizador e muitas vezes racista sobre os povos indígenas”, finaliza.

No especial Falas da Terra, ao todo, serão 21 depoimentos em primeira pessoa com informações sobre preservação da cultura, língua e costumes dos diversos povos; proteção do meio ambiente e da vida; respeito à diversidade; histórias de resistência e ativismo; demarcação de terras; invasão de territórios demarcados; preservação das florestas; importância da literatura para ajudar na conscientização; entre muitos outros temas.

Falas da Terra tem direção artística de Antonia Prado, roteiro assinado por Malu Vergueiro, consultoria de Ailton Krenak e coautoria de Ziel Karapató, Graciela Guarani, Olinda Tupinambá e Alberto Alvarez. Rafael Dragaud assina a supervisão artística e Mariano Boni a direção de gênero. O especial será exibido no dia 19 de abril, quando é celebrado nacionalmente o Dia do Índio, após o BBB 21.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio