Emílio Dantas diz que Rubinho era ‘escada’ de Bibi em A Força do Querer: “Dava o brilho”

O artista revelou ainda as cenas que quer rever da novela

Publicado há um mês
Por Guilherme Rodrigues
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No ar como o Rubinho, marido de Bibi (Juliana Paes) em A Força do Querer, novela das 21h de Glória Perez, Emílio Dantas falou em entrevista como foi receber a notícia de que o folhetim seria reprisado e também os desafios de viver o traficante.

O que sentiu quando soube que A Força do Querer seria exibida novamente? 

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Fiquei muito feliz! É um trabalho que tenho muito orgulho de ter feito. Acho que a novela tem arcos de extrema relevância para serem debatidos hoje, como a história da Ivana, por exemplo, a do Nonato… E alguns maus exemplos também, como o do próprio Rubinho. Mas acho que é uma novela que, apesar de não ser tão antiga, cabe a gente voltar nos assuntos.

 Como você descreveria o Rubinho? 

Rubinho foi um cara muito ambicioso e que se perdeu na sua própria ambição. Um cara que tinha pouco e esse pouco foi construído com esforço e amor, mas não era o suficiente para ele. Então, ele vai atrás desse sonho, dessa riqueza que ele mesmo desconhece. Não à toa tem um fim trágico.

 Que cena você tem vontade de rever? 

Todas as cenas marcantes que mudaram o jogo, todas as prisões, a festa do Dedé (João Bravo) que, apesar de triste, quero rever. Tem muita coisa bacana.

 É muito autocrítico ao rever trabalhos antigos?

Eu tenho muita autocritica sim, mas nunca fiquei revendo os trabalhos com essa dimensão. Nunca tive um ‘Vale a Pena Ver de Novo’ ou algo do tipo. É a primeira vez que vivo essa experiência. 

Você foi um dos personagens mais importantes da trama. Como foi a repercussão à época? Acha que agora será diferente?  

A repercussão ficava com a Bibi, o Rubinho era a escada. Ele dava o brilho pra Bibi fazer o jogo dela acontecer. O jogo dela que era do movimento. Também essa picuinha com o Sabiá (Jonathan Azevedo). Acho que foi uma repercussão bem louca. As pessoas gostavam desse bandido. Acho que agora vai ser um pouco diferente, acho que as consciências mudaram, apesar do pouco tempo, mas mudaram um pouco. Então, vamos ver… Eu já não simpatizo tanto com o Rubinho, por exemplo.

Como foi a parceria com Juliana Paes?

Foi incrível! Desde o início sabia que a história a ser contada era a história dela (Bibi) e ela sempre foi muito enérgica, da troca, com muitas ideias sempre e respeitando a opinião dos amigos e dos colegas. A gente sempre teve um jogo bacana. Acho que foi fundamental a parceria com ela e com o Jonathan.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais