Em que capítulo Tieta volta a Santana do Agreste?

Cláudia Ohana aparece na estreia e, 20 anos depois na narrativa, Betty Faria assume o papel

Publicado há 4 meses
Por Fábio Costa
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Depois de aparecer no primeiro capítulo, interpretada por Cláudia Ohana em cenas ambientadas em 1968, a protagonista de Tieta fica sumida por alguns capítulos da novela baseada na obra de Jorge Amado. Mas quanto tempo leva para que o público possa ver Betty Faria no papel?

Bem, agora que a novela está disponível no GloboPlay, a plataforma de streaming da TV Globo, os mais afoitos e/ou de boa memória podem pular os capítulos com Tieta ausente. Mais precisamente, do primeiro para o décimo sétimo, exibido originalmente em 1º de setembro de 1989.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A primeira aparição de Betty Faria como Tieta em cena fecha o capítulo 16, de 31 de agosto de 1989, então não consideramos para atender à pergunta do título. Ela chega a Santana do Agreste exuberante num conversível vermelho, acompanhada da “enteada” Leonora (Lídia Brondi).

As duas estranham que a cidade não tenha ninguém pelas ruas e o comércio esteja todo fechado, ainda que não seja feriado. E ficam sabendo que uma filha de Zé Esteves (Sebastião Vasconcelos) morreu e o povo está na igreja para celebrar um velório. Tieta pensa em Elisa (Tássia Camargo).

Só que é a própria Antonieta que está sendo velada, mesmo sem corpo, já que a família acredita que ela esteja morta, após o religioso cheque que envia para os Esteves falhar depois de anos e anos sem um mês de falta. Todos pressupõem que Tieta só pode estar morta…

Betty Faria passa quase três semanas fora do ar na novela, não apenas porque era interessante à história, mostrar a cidade sem ela e apresentar todos os conflitos, como também porque a atriz havia feito inteira a atração anterior do horário das 20h, O Salvador da Pátria, de Lauro César Muniz.

Tieta foi escrita por Aguinaldo Silva, Ana Maria Moretzsohn e Ricardo Linhares, e teve direção de Paulo Ubiratan, Reynaldo Boury, Luiz Fernando Carvalho e Ricardo Waddington, com direção-geral do primeiro.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais