Em editorial sobre as 100 mil mortes por Covid-19, JN cobra Bolsonaro

"Mais cedo ou mais tarde o Brasil vai precisar de respostas para essas perguntas"

Publicado há um mês
Por Redação
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Neste sábado (8), os apresentadores do Jornal Nacional, William Bonner e Renata Vasconcellos, iniciaram o noticiário com um editorial sobre a marca atingida de 100 mil mortes por Covid-19 no Brasil.

Os jornalistas falaram sobre o dever da Constituição de proteger o cidadão e lembraram reações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em relação à pandemia, criticando sua postura e cobrando seu papel como chefe do Executivo.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Todo brasileiro tem direito à saúde e todos os governantes brasileiros têm a obrigação de proporcionar aos cidadãos esse direito. As ações dos governantes precisam ter como objetivo diminuir o risco de a população ficar doente e não somos nós quem estamos dizendo isso. É a Constituição brasileira que todas as autoridades juraram respeitar. Está registrado no artigo 196“, disse Bonner, que leu o trecho citado.

A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantindo mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação

Na sequência, Renata analisou a situação do Governo e do Ministério da Saúde. “Mas o Brasil está há 12 semanas sem um ministro da Saúde titular. São 85 dias desde o dia 15 de maio. Dois médicos de formação deixaram o cargo de Ministro da Saúde, porque pretendiam seguir as orientações da Ciência e o presidente Bolsonaro não concordou com essa postura deles”

Logo depois, Bonner reuniu declarações do presidente desde o início da pandemia. “Primeiro o presidente menosprezou a Covid, chamou de ‘gripezinha’. Depois quando um repórter pediu que ele falasse sobre o número alto de mortes, Bolsonaro disse que não era coveiro. Disse duas vezes ‘não sou coveiro’.

“Quando os óbitos chegaram a 5 mil, a resposta dele a um repórter foi um ‘e daí’. Agora o presidente repete que a pandemia é uma chuva e que todos vão se molhar ou que a morte é o destino de todos nós e que temos de enfrentar a doença como se fosse uma questão de coragem, como se nada pudesse ter sido feito

Assista:

Em seguida, Renata afirmou que Bolsonaro foi na contramão dos governadores que defendiam o isolamento social, gerando confusão e perplexidade dos cidadãos que não sabiam no que acreditar.

Bonner também reforçou que as 100 mil vítimas foram brasileiros que deixaram famílias e que não estavam fadados a morrer, tendo morrido por Covid. “Nós não podemos nos anestesiar”, ressaltou o apresentador, afirmando: “O Jornal Nacional não vai se cansar de repetir: essas vidas perdidas são de brasileiros como todos nós”.

Para finalizar, a âncora do telejornal questionou: “A pergunta que se impõe é: o presidente da República cumpriu esse dever? Entre os governadores e prefeitos, quem cumpriu e quem não cumpriu? Mais cedo e mais tarde, o Brasil vai precisar de resposta para essas perguntas’”.

Confira:

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais