Em documentário sobre crime que cometeu, Elize Matsunaga diz que “tentou não errar”

A produção revelou declarações inéditas da presidiária

Publicado em 8/7/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O documentário ‘Elize Matsunaga – Era uma vez um crime’ foi lançado nesta quarta-feira (7) na Netflix e já causou o maior alvoroço nas redes. A obra retrata os bastidores do crime que ocorreu em 2012 e chocou o Brasil pela frieza com que a réu confessa, Elize Matsunaga, matou seu marido, Marcos Matsunaga, executivo da marca Yoki.

Ela, que era prostituta e se casou com seu cliente milionário, esquartejou o empresário alegando ciúmes por conta dos casos extraconjugais do marido. No documentário o público pode conferir detalhes da história macabra, mas além disso, ter acesso a declarações inéditas da acusada, que foi entrevistada por diversas vezes para a produção.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Declarações que humanizam

Uma das críticas feitas ao documentário é a tentativa de humanização de Elize Matsunaga. Principalmente quando a obra retrata a relação dela com a maternidade, o sofrimento na juventude – incluindo abusos sexuais -, ingresso à prostituição e as constantes traições do marido rico.

Entre as declarações mais preponderantes estão as que Elize fala sobre a filha que teve com Marcos. Na produção, ela assume o desejo de ver a menina, que não está em sua guarda desde que foi condenada a 19 anos, 11 meses e um dia de reclusão. A presidiária diz que já tentou revogar da decisão legalmente.

Pelo fato de ter ficado todos esses anos longe da minha filha, tive medo de não poder mais encontrá-la. Quero ter a oportunidade de falar para ela o que houve de verdade. ‘Olha, minha filha, tentei fazer diferente, tentei não errar, mas não consegui’”, relata e mulher, aos prantos logo na entrevista inicial.

Em outro momento do filme, Elize apela para a religião. “Peço a Nossa Senhora que também é mãe. Gostaria de falar para minha filha que não tem um dia da minha vida que eu não me sinta culpada pelo que eu fiz. Peço para que ela consiga vencer isso. Se não conseguir me perdoar, tudo bem. Irei respeitá-la”, declara.

Repercussão

Após a estreia, internautas reagiram à medida em que foram assistindo aos primeiros episódios. Boa parte dos usuários opinaram positivamente sobre a qualidade da produção. Outra parcela deu o parecer acerca do conteúdo do documentário, sobretudo da participação de Elize.

Veja alguns dos comentários retirados do Twitter:

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio