Eduardo Costa fala sobre Antonia Fontenelle: “A gente andou dando uns pegas”

Publicado há um ano
Por Guilherme Rodrigues
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na edição deste domingo (15) do Hora do Faro, irá ao ar uma matéria feita com Eduardo Costa, cantor que saiu do interior de Minas Gerais para conquistar o estrelato. O artista participa do quadro De Volta ao Passado.

O apresentador visitou
o sertanejo em sua mansão, localizada na cidade de Belo Horizonte (MG). Os dois
conversaram sobre o passado de Eduardo, assuntos cotidianos e várias curiosidades.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O cantor também aborda temas mais pessoais, esclarecendo polêmicas e comentando sobre ex-namoradas. O sertanejo, inclusive, não deixa de falar sobre sua relação com Antonia Fontenelle.

“Eu me separei da Vitória já tem uns quatro meses e pouco. Depois da Vitória, a única pessoa que eu tive foi a Fontenelle, a Antonia Fontenelle. A gente andou dando uns pegas, ficamos juntos, dando uns beijos”, entrega o astro.

Depois da conversa, Faro convida Eduardo a fazer uma jornada por seu passado. De Belo Horizonte, os dois entram a bordo de um Chevrolet Monza, carro que serviu de lar para o cantor durante uma fase bem difícil, e seguem até a cidade de Contagem, no interior mineiro.

Passado

Chegando lá, o cantor
apresenta a residência humilde em que viveu no começo da carreira. A partir
daí, embarcam em uma viagem à cidade de Abre Campo, revivendo os primeiros anos
de sua vida.

“A minha vida foi de miséria até os 25 anos, foi de miséria, eu não tinha nada, eu não tinha nem comida em casa. Muitas noites eu não tinha o que comer. Eu fui ter sapato, tênis, depois dos meus 10 anos, 12 anos de idade. Até então, nunca tinha tido, não. Sempre morei em barraco e só fui morar em casa mesmo, depois dos 26 anos”, desabafa Costa.

 Na zona rural do estado, Faro faz uma surpresa
levando o artista à primeira escolinha em que estudou. Depois, vão a pé até a
casinha em que o pai de Eduardo construiu com as próprias mãos, à qual não
retornava há 15 anos.

Desde a caminhada e
até entrar na casa, Eduardo se depara com objetos, pessoas, cenários e
familiares que fizeram parte desta fase de sua vida. O público assistirá a
todos os emocionantes encontros no domingo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais