“É uma pessoa generosa, apaixonada”, diz Manoel Carlos sobre a heroína Helena

O novelista falou sobre sua trajetória na TV brasileira

Publicado há 21 dias
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na madrugada de sexta (09) para sábado (10), o autor Manoel Carlos foi o convidado do Conversa com Bial. Na atração da Globo, o novelista conhecido por suas “Helenas” contou a Pedro Bial os principais detalhes de sua ampla carreira na TV, onde atuou como ator, diretor e roteirista.

Pedro Bial fez questão de ressaltar que Manoel Carlos foi um dos pioneiros da TV brasileira, dirigindo e/ou roteirizando clássicos como Família Trapo, Essa Noite se Improvisa e Hebe. O veterano também foi o primeiro diretor do Fantástico, até passar a escrever novelas em 1978, com Maria Maria.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Mas foi em Baila Comigo (1981) que começou a trajetória das Helenas, a protagonista das principais novelas do autor. Manoel Carlos falou das semelhanças entre elas. “Durante a novela, se dilui ou acrescenta também. É uma pessoa generosa, apaixonada por qualquer coisa, inclusive por qualquer homem”, contou.

Bial também ressaltou o fato de suas novelas sempre serem ambientadas no Leblon, bairro da Zona Sul do Rio de Janeiro. “Eu escolhi o Leblon porque eu conheço o Leblon. Andava diariamente de mãos dadas com meu filho (…). As pessoas se incorporaram à ficção, batiam na porta como em Laços de Família pra saber se tinha apartamento pra vender, para morar no apartamento da Helena”, revelou.

Erros de pesquisa

No entanto, não passou batido alguns erros de pesquisa no Conversa com Bial. O jornalista, ao falar das Helenas, disse que a primeira delas foi Lilian Lemmertz (em Baila Comigo), e a última foi Taís Araújo (em Viver a Vida, de 2009). Na verdade, a última Helena foi Julia Lemmertz, em Em Família (2014), escolhida justamente por ser filha de Lilian. Curiosamente, o autor não o corrigiu.

Bial também disse que Regina Duarte defendeu o papel duas vezes. Na verdade, foram três: em História de Amor (1995), Por Amor (1997) e Páginas da Vida (2006). Desta vez, no entanto, ele foi corrigido por Maneco: “acho que foram três”, disse.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais