“Direita não tem intelectual, tem recalcados”, dispara Lobão

Músico foi o convidado de Vera Magalhães nesta segunda (1º)

Publicado há 5 meses
Por Felipe Brandão
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O cantor, compositor e escritor Lobão foi o convidado desta segunda-feira (1º) do Roda Viva, mesa redonda comandada semanalmente por Vera Magalhães na TV Cultura. Sempre polêmico e sem papas na língua, ele não poupou termos ao criticar, por exemplo, a militância política de direita atual.

A direita não tem intelectual, tem recalcados. É um subproduto. Temos pouquíssimas seríssimas pessoas, o Martim Vasques da Cunha, o Bruno Garschagen, tem algumas pessoas que são realmente muito boas. O intelectual de direita eu considero que é um observador que tem uma riqueza de informações, mas é uma raridade, me incluo nesse rol, e ficamos num sanduíche. A direita, que o Reinaldo Azevedo chama de ‘direita chucra’, impera e abunda“, disparou.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Lobão tampouco adotou postura mais amena ao analisar movimentos contemporâneos de esquerda, os quais, a seu ver, pecam pela postura excessivamente ‘vitimista’.

Acho que o intelectual de esquerda é o campeão mundial de ‘punheta de pau mole’. Porque eu acho que há certos tipos de vitimização e de um auto centrismo da esquerda. Não tem a visceralidade de um rock ou de uma música de protesto, de um Bob Dylan. Osubtexto poderia ser ‘que peninha que tenho de mim’. Essa característica de vitimização, de se achar tão perseguido“, considerou.

Quero deixar bem claro que não estou atribuindo a ter ou não ter razão, de ser ou não percebido. Eu nunca vou me colocar como vítima. Acho uma atitude mórbida, esteticamente carente de privacidade, de teor de força, dinâmica, de colorido, de atitude, de enfrentamento“, acrescentou o artista.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais